Investigação, inteligência, cooperação e disponibilidade do aparato da segurança pública do Ceará. A integração desses fatores pôs fim às buscas pelo paradeiro de Antônio Josivan Lopes Silva, de 30 anos. Após 37 dias com diligências ininterruptas, o homem apontado como autor do homicídio que vitimou o escrivão da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), Aloizio Alves de Lima Amorim, no último dia 30 de abril, no município de Tauá, na região dos Inhamuns do Ceará, foi capturado.

Josivan estava em um imóvel na cidade de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, e foi preso, nesse domingo (6), por agentes da Polícia Civil do Estado de São Paulo (PCSP). Detalhes da prisão e do trabalho policial foram apresentados em coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (7), na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE), em Fortaleza.

“Essa prisão era uma prioridade para nós desde que tomamos conhecimento desse crime lamentável e chocante. Foi disponibilizada toda estrutura da Polícia Civil, também da Polícia Militar e da Ciopaer (Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas da SSPDS). Foram 37 dias de buscas ininterruptas até que esse criminoso fosse localizado em São Paulo, no dia de ontem. Mais uma vez eu destaco aquilo que já foi dito em várias ocasiões: não adianta praticar crime no Ceará e fugir pra outro estado que nós vamos atrás onde estiverem e eles vão ser presos”, frisa o secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, Sandro Caron.

Desde as primeiras horas após a confirmação da morte do escrivão da Polícia Civil do Ceará, o aparato da segurança pública do Estado esteve empenhado nas buscas pela localização do suspeito. Equipes mobilizadas de policiais civis e militares conduziram ofensivas, inicialmente, em uma região de mata fechada no Sertão dos Inhamuns, local de onde Josivan tinha sido visto pela última vez após fugir da Delegacia Regional de Tauá. As buscas tiveram suporte aéreo da Ciopaer da SSPDS.

O delegado geral Sérgio Pereira detalha os esforços empregados pelas equipes policiais no intuito de capturar o foragido. “A estrutura policial foi toda mobilizada pela Secretaria da Segurança Pública, com a missão de localizar e capturar o autor desse crime. A gente precisava dar uma resposta para família, para sociedade e para os policiais civis. Houve um trabalho bem forte de inteligência e investigação no sentido de localizá-lo e capturá-lo. A gente conseguiu refazer todo o trajeto dele, do momento que saiu da delegacia, dos momentos iniciais que ele conseguiu se embrenhar na mata, até o momento em que foi resgatado e saiu da região”, descreve o chefe da Polícia Civil do Ceará.

A todo instante, as informações levantadas pelos setores de inteligência eram colhidas, checadas e tratadas, seguindo os passos do provável percurso traçado pelo homem. Em meio ao levantamento de dados e com suporte de inteligência da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da SSPDS e do Departamento de Inteligência Policial (DIP) da PCCE, a Polícia Civil do Ceará ampliou a procura de Josivan até culminar no endereço exato onde o foragido da Justiça se encontrava, na Região Metropolitana de São Paulo. De acordo com o delegado geral Sérgio Pereira, o foragido tinha ciência de que estava sendo procurado pelas autoridades cearenses e subestimou que a Polícia do Ceará pudesse encontrá-lo em outro estado brasileiro.

São Paulo

Mais de 2.600 quilômetros de distância separam a cidade cearense Tauá e a paulista São Bernardo do Campo. De posse da informação, a Polícia Civil do Ceará fez contato com agentes da Polícia Civil de São Paulo e repassou a localização. Na manhã de ontem, os policiais civis de São Paulo deram partida à ofensiva policial que resultou na captura de Josivan. Ele foi levado para a sede da Divisão de Capturas do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), na capital paulista, onde o mandado de prisão preventiva referente ao homicídio qualificado que vitimou o escrivão Aloizio foi cumprido.

“Delegados, inspetores e escrivães se dedicaram muito a esse caso em respeito à memória do nosso colega. Todo mundo deu o sangue, ninguém parou de trabalhar até que pudéssemos localizar o foragido. Apesar da tristeza de perder um irmão, nos dedicamos em nossa plenitude para apresentar uma resposta à família, aos colegas de trabalho desse policial abnegado, que será sempre lembrado por nós”, revela o diretor do Departamento de Inteligência Policial (DIP) da PCCE, Edvando França, que presenciou o empenho dos colegas nas diligências que culminaram na captura do foragido.

Procurado

No dia 14 de maio, o nome de Josivan foi incluído na lista do Programa Estadual de Recompensa do Ceará, cujas informações que levassem ao paradeiro dele resultariam no pagamento de R$ 10 mil ao denunciante. Por 24 dias, o nome de Antônio Josivan Lopes Silva permaneceu no site da Recompensa até ser removido nesta segunda-feira (7).

In memoriam

Aloizio Alves de Lima Amorim trabalhou na Polícia Civil durante dez anos, três meses e 20 dias. O escrivão prestou serviços no Grupo Provisório de Investigação e Homicídios, na Delegacia Municipal de Parambu, além das delegacias Regional de Juazeiro do Norte e Regional de Tauá, onde estava lotado desde 2014. Em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à sociedade cearense pelo policial civil, a SSPDS o condecorou in memoriam com a medalha General Assis Bezerra, a mais alta comenda da Secretaria.

O crime

O escrivão foi atingido, na madrugada do dia 30 de abril de 2021, durante o plantão da Delegacia Regional de Tauá. O suspeito, identificado como Antônio Josivan Lopes Silva, que já respondia por latrocínio tentado, estava sendo autuado em flagrante por tráfico de drogas, quando pegou a arma do escrivão e atirou contra ele. Foram realizados os primeiros socorros ainda na delegacia, porém o policial civil não resistiu aos ferimentos e morreu.