image-12 Segurança
Foto: Natinho Rodrigues

O ministro Joel Ilan Paciornik, da quinta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou, na quarta (28) e nesta quinta-feira (29), liberdade a 11 policiais militares acusados de participar da ‘Chacina da Messejana’.

Os advogados dos PMs entraram com três pedidos de habeas corpus, que foram recusados liminarmente (provisoriamente), segundo consta no site do STJ. Entretanto, o mérito dos pedidos ainda será analisado pela quinta turma do Superior Tribunal. As rejeições liminares serão publicadas oficialmente pelo órgão apenas no dia 1º de fevereiro, após o recesso judiciário.

O habeas corpus solicitado pelo advogado Cícero Roberto Bezerra de Lima para os réus Antônio Carlos Matos Marçal, José Wagner Silva de Souza, José Oliveira do Nascimento, Francisco Helder de Souza Filho, Maria Bárbara Moreira e Igor Bethoven Sousa de Oliveira foi negado ontem, às 12h55. Os seis policiais estavam em viaturas da PM, caracterizadas do Batalhão de Cavalaria ou descaracterizada do Serviço Reservado, que compareceram à região da Grande Messejana, onde aconteceram as mortes.

O pedido feito pelo advogado Régio Rodney Menezes, para os clientes Gerson Vitoriano Carvalho, Josiel Silveira Gomes e Thiago Veríssimo Andrade Batista de Moraes, foi indeferido pelo STJ anteontem, às 15h25. O trio também estava trabalhando e foi acionado pela Ciops para atender ocorrências na região, em viaturas caracterizadas.

Régio Rodney Menezes também solicitou um habeas corpus para os PMs Ronaldo da Silva Lima e Thiago Aurélio de Souza Augusto, e foi recusado na mesma hora que o outro pedido. A dupla também compareceu à região em viaturas caracterizadas.

STJ analisa outro pedido de habeas corpus

O STJ também recebeu o pedido de habeas corpus do policial militar Carlos Roberto Mesquita de Oliveira, acusado de estar de folga e colaborado com a chacina, mas ainda não analisou o documento escrito pelo advogado Manuel Micias Bezerra, pois aguarda informações do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE).

44 PMs são acusados de matar 11 pessoas na ‘Chacina da Messejana’

O episódio que ficou conhecido como ‘Chacina da Messejana’ aconteceu na madrugada do dia 12 de novembro de 2015, quando 11 homens, a maioria adolescentes, foram mortos em bairros que compõem a Grande Messejana, em Fortaleza. 45 policiais militares foram denunciados pelo Ministério Público do Ceará (MPCE) pelos crimes e o TJCE acatou e determinou o pedido de prisão preventiva de 44 dos acusados, que se encontram presos desde 31 de agosto deste ano de 2016.

Fonte: Diário de Nordeste