A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) deflagrou, nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (20), a “Operação Malum” – que em latim significa “mal” – com o objetivo de desarticular uma organização criminosa atuante no município de Pacajus, Região Metropolitana de Fortaleza. Ao todo, 13 suspeitos pertencentes ao grupo foram presos em decorrência dos trabalhos de investigação sobre a atuação deles em crimes na região. Os detalhes das capturas foram apresentados em coletiva de imprensa, ainda na manhã de hoje, na superintendência da PCCE.

Os alvos da operação são investigados pelos crimes de tráfico de drogas e homicídios. Os suspeitos possuem função de hierarquia no coletivo criminoso. As equipes policiais foram mobilizadas para dar cumprimento a 19 mandados de prisão e dez de busca e apreensão nas cidades de Fortaleza, Pacajus e Horizonte. No total, foram cumpridos 13 mandados de prisão. Para o delegado titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), Klever Farias, a operação dá continuidade a um trabalho ininterrupto em combate ao crime com atuação na Capital e nos demais municípios do Ceará.

“Nosso objetivo é desarticular esses coletivos criminosos. Mapeamos, localizamos e prendemos, dando uma resposta efetiva à sociedade, que acredita no trabalho dos policiais civis. Continuamos com ações ininterruptas para prender as principais chefias desses grupos”, pontuou o delegado. Ao total, foram 13 pessoas retiradas de circulação, todos com envolvimento na comercialização do tráfico de drogas e homicídio. Segundo levantamentos investigativos, os alvos presos hoje têm ligação direta com um suspeito já preso pelo agente de segurança pública, que foi capturado em setembro do ano passado.

Trata-se de Gutemberg de Sousa Nogueira, 31, que se encontrava foragido desde 2016, e que possui antecedentes criminais por tráfico de drogas e receptação. Segundo informações policiais, Gutemberg, também conhecido por “Gugu” comandou as atuações de uma organização criminosa na cidade de Pacajus e nas regiões adjacentes. Com isso, a Polícia Civil segue em diligências a fim de capturar os demais partícipes do grupo.