A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), realizou a operação ” Portabilidade Falsa”, que resultou nas prisões de sete pessoas envolvidas na aplicação de golpes contra servidores públicos por meio de substituição de empréstimos consignados. A ação aconteceu nessa sexta-feira (11) e teve como alvo uma empresa que tinha sede no bairro Aldeota, em Fortaleza. Os detalhes da operação foram divulgados durante uma coletiva de imprensa que aconteceu na manhã dessa segunda-feira (14), na sede da Superintendência da PCCE.

As equipes da DDF investigavam ações suspeitas realizadas por uma empresa, quando foram informadas de mais uma tentativa de golpe aplicada por funcionários da casa comercial. Na ocasião, a vítima era surpreendida pelos suspeitos, que ofereciam vantagens para que as pessoas fizessem a portabilidade dos empréstimos consignados.

No caso denunciado, a vítima não fez acordo com a empresa, no entanto recebeu uma quantia em dinheiro em sua conta. Ao perceber a ação, entrou em contato com os atendentes e foi orientado a fazer um depósito de volta para o dono da firma, mas na verdade, esse era o golpe. O valor das prestações foi incluído na conta da vítima, que sofreu o prejuízo.

As equipes então se mobilizaram e foram até a sede da empresa, onde abordaram os funcionários que estavam atuando, fazendo ligações para as vítimas com o intuito de aplicar golpes. Diversos materiais foram apreendidos no local. Notebooks, documentos, cadernos com anotações, aparelhos celulares, crachás, entre outros. Calcula-se que o grupo já tenha movimentado cerca de 12 milhões de reais, no Ceará.

Ao todo, sete pessoas foram conduzidas à DDF e autuadas pelos crimes de estelionato, crime contra a ordem tributária, na Lei de crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa. Um dos suspeitos, identificado como Jailson Abranches da Silva (23), é natural do Rio de Janeiro (RJ), estado onde fica a matriz da empresa. Outras seis pessoas, identificadas como Lucas Vinícius da Silva (21), Antônia Kadna Lima Oliveira (22), Caique da Silva Santos (26), Francisco Janiel Alves de Castro (21), Leonardo Aguiar de Oliveira (19) e Maria Cristina Brandão de Moraes (42) também foram presas. A DDF segue investigando o caso no intuito de identificar e localizar outros envolvidos na ação criminosa. A Polícia Civil ressalta que qualquer pessoa que se sentir lesada por ação semelhante, deve procurar uma unidade policial para registrar o caso.