Graças ao trabalho diário das Forças de Segurança, Fortaleza apresentou uma redução de 55,5% nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), que englobam os homicídios dolosos/feminicídios, lesões corporais seguidas de morte e latrocínios, no mês de maio de 2021. Com 57 registros, foram 71 crimes a menos do que no mesmo período do ano passado, quando foram registradas 128 mortes.

“Completamos o mês de maio de 2021 com uma queda significativa das ocorrências de CVLI no comparativo com maio do ano passado. Foi uma redução de 55% nos Crimes Violentos Letais Intencionais. Tudo isso é fruto das ações de intensificação da inteligência que vem melhorando o resultado das investigações e também das ações de policiamento preventivo e ostensivo, bem como de operações integradas como a Apostos e a Cerco Fechado que são realizadas todas as semanas”, pontuou o secretário Sandro Caron.

O gestor aproveitou para destacar que Fortaleza apresentou o melhor resultado nos homicídios dolosos em toda a série histórica no mês de maio/21. “Finalizo destacando que nos atendo especificamente aos homicídios dolosos, nós fechamos o mês de maio com 54 casos, o que é o número mais baixo na série histórica se compararmos sempre os meses de maio, ano a ano”, revelou. De maio de 2009, ano quando a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) passou a concentrar todas as estatísticas criminais, até agora, o período com o melhor resultado era 2019, com 55 casos.

Ainda durante o mês de maio, quatro dias não registraram nenhum caso de CVLI em Fortaleza. Foram estes os dias 10, 13, 14 e 28. Quando se trata do Ceará, o dia 13 não registrou nenhuma morte provocada por crime violento.

Demais regiões

Além da Capital, todas as demais regiões do Ceará também apresentaram números favoráveis no último mês, além de um balanço positivo também no acumulado do ano. No quinto mês de 2021, a Região Metropolitana foi o segundo território com maior retração, indo de 101 crimes para 73, com redução de 27,7%. Já o Interior Norte apresentou diminuição de 26,2%, indo de 61 para 45, seguido do Interior Sul, que foi de 75 para 69, com redução de 8%. Em todo o Ceará, a redução foi de 33,2%. Em todo o estado, em maio do ano passado foram 365 crimes, já no mês passado foram 244.

Balanço do ano

O balanço do acumulado do ano também apresentou retração. Fortaleza aparece novamente no topo como região com maior queda. Foram 608 crimes de janeiro a maio de 2021 contra 377 este ano, com redução de 38%. Em seguida vem a Região Metropolitana da Capital com -34,3%, indo de 618 para 406. Já o Interior Sul apresentou a queda de 24,5%, indo de 375 para 283. No Interior Norte, essa diminuição foi de 9,8%, com 286 casos no quinquemestre do ano passado e 258 no mesmo período de 2021.

O superintendente de Estratégia e Segurança Pública (Supesp), Helano Matos, destaca que, além do trabalho humano conduzido pelas Polícias Civil do Estado do Ceará (PCCE) e Polícia Militar do Ceará (PMCE), algumas ferramentas capitaneadas pela vinculada também reforçam as tomadas de decisões.

“Complemento que a redução dos CVLI no Ceará é fruto também do empenho e da criação de novas tecnologias que são lideradas aqui pela Supesp. Quero destacar duas delas. A primeira é o Agilis, que é a tecnologia inteligente de monitoramento de veículos automotores. Outro sistema que tem auxiliado é o Sistema Status, que é destinado aos tomadores de decisões das forças policiais. O Status é um sistema analítico de dados também baseado em inteligência artificial, ciência de dados e geoprocessamento. Ele cria a mancha criminal, os ‘hotspot’ que são os microterritórios onde há maior incidência de crimes. Dessa forma, os gestores das Polícias podem colocar seus recursos humanos e seus equipamentos no dia certo, local certo e na hora certa”, destacou.