É pautando suas ações sob o viés do fortalecimento da inteligência policial e do emprego de dados e tecnologias no Ceará, que a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) vem registrando reduções em seus indicadores criminais. Os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) apresentaram uma redução de 38,1% no primeiro semestre de 2021, em Fortaleza, onde ocorreram 446 registros, que significam 275 mortes a menos em comparação ao mesmo período do ano passado, quando aconteceram 721 crimes.

De todas as regiões do Estado, a Capital cearense, que tem quase 2,7 milhões de habitantes, foi a que registrou maior retração. No entanto, a redução também ocorreu na Região Metropolitana, com -33%, indo de 718 crimes para 481 nesses seis meses. Os interiores Norte e Sul também tiveram um balanço positivo, com -10,9% (359 para 320) e -21,3% (447 para 352), respectivamente. Com isso, consequentemente, o Ceará chega à redução de 28,8% nos CVLIs no primeiro semestre, quando houve 1.599 vítimas, que significa 646 a menos em comparação ao ano de 2020, quando ocorreram 2.245 mortes.

“Lançamos esse ano novas ferramentas tecnológicas e reforçamos, desde o final do ano passado, as ações de inteligência policial. Então essas ações de inteligência somadas às ferramentas tecnológicas e ao trabalho desenvolvido nas questões das estatísticas nos permitiu identificar as áreas do Estado que possuem uma maior incidência de crimes e também melhorar a efetividade dos trabalhos, seja nas ações de prevenção da Polícia Militar, seja nas investigações da Polícia Civil”, destacou Sandro Caron, secretário da SSPDS.

Junho

O combate aos crimes contra a vida também resultou em melhorias no indicador no mês de junho. Fortaleza apresentou 69 CVLIs, ou seja, 44 crimes a menos se comparado ao dado estatístico de junho de 2020, que registrou 113 CVLIs. A RMF teve 25% de retração, indo de 100 crimes para 75. Nos interiores Norte e Sul, as diminuições foram de 15,1% (73 para 62), e 4,2% (indo de 72 para 69), respectivamente. No Ceará, em junho, a redução foi de 23,2%, caindo de 358 para 275 crimes.

Inteligência que vai além das divisas

Um dos fatores para a melhoria no indicador criminal citado por Sandro Caron, secretário da SSPDS, é a atuação no combate aos grupos criminosos, especialmente nas capturas de pessoas que ocupam cargos de chefia. Em um ano, nove suspeitos que integraram o Programa Estadual de Recompensa da SSPDS foram capturados. A maioria deles foi presa em outros estados brasileiros.

Ao todo, foram presos uma mulher e oito homens. Seis homens foram capturados em outros estados da Federação. As localizações ocorreram no Piauí (1), Rio de Janeiro (1), Rio Grande do Norte (1) e São Paulo (3). A única mulher incluída na lista e que já está presa foi capturada em Jijoca de Jericoacoara, no litoral cearense.

O último a ser preso foi Gilderlan Soares Granja (29), vulgo “Condadinho”, capturado pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE), no dia 28 de junho de 2021, em São Paulo. O homem, apontado como chefe de organização criminosa com atuação no Vale do Jaguaribe, estava com cinco mandados de prisão em aberto e possui seis passagens por homicídio, roubo, estelionato, tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e restrito. De acordo com as investigações, o suspeito utilizava identidade falsa e fez diversos procedimentos estéticos no rosto para tentar se desvencilhar das autoridades cearenses.

“Todas essas atuações possuem o apoio da inteligência policial. Com isso conseguimos aumentar o número de capturas e retirar das ruas pessoas que vinham praticando homicídios no Estado”, destacou Caron.