Cerca de cinco horas depois, uma ação que contou com o emprego de todo o aparato das Forças de Segurança do Estado resultou nas capturas de três suspeitos de participação direta e indireta na morte do soldado da Polícia Militar do Ceará (PMCE), Thiago Araújo do Nascimento (26). Durante a ofensiva, três armas de fogo, entre elas, a pistola subtraída do profissional de segurança, foram apreendidas. O autor dos disparos que atingiram o PM trocou tiros com uma equipe policial e foi lesionado. Ele chegou a ser socorrido, mas foi a óbito.

As informações sobre todo o trabalho policial foram divulgadas em coletiva de imprensa, na manhã desta quarta-feira (14), com a presença do secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Sandro Caron; do secretário executivo da SSPDS, Samuel Elânio; do coronel comandante-geral da PMCE, Márcio Oliveira; do delegado geral da Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE), Sérgio Pereira; do comandante do Comando de Policiamento de Choque (CPChoque), tenente-coronel Sinval Sampaio; e do diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Harley Filho.

O crime ocorreu dentro de um coletivo na cidade de Beberibe, no Ceará, mas as capturas ocorreram na cidade de Aracati. O primeiro a ser localizado foi o suspeito identificado como Francisco Wesley da Silva, 22 anos, que já acumula passagens pela Polícia por tráfico de drogas e roubo. Ele estava em frente a um imóvel, no bairro Conjunto Prourb, em Aracati. Na abordagem, ele alegou que não havia participado da ação criminosa, mas que estava com um revólver calibre 38 utilizado no crime. O objeto foi encontrado enterrado nos fundos da casa do suspeito. Além da arma, foi encontrada uma bolsa contendo 372 gramas de maconha, 138 gramas de crack e 86 gramas de cocaína. Após a captura de Wesley, os profissionais de segurança foram até a casa de Luan da Silva Teobaldo, 23 anos, no bairro Conjunto Tabajara.

Luan, que já responde por tráfico de drogas, confessou que havia guardado a arma de fogo subtraída da vítima e apontou o local, no forro de um quarto. A pistola calibre .40 da Polícia Militar do Ceará (PMCE) continha seis cartuchos não deflagrados e estava enrolada em uma camisa. O celular da vítima também foi encontrado dentro de um fogão. O terceiro a ser localizado foi um adolescente de 15 anos, que participou diretamente do crime. Ele atuou junto de João Luiz da Silva Oliveira, 18 anos, que foi o suspeito de ser o autor dos disparos que vitimaram o PM. Durante um cerco policial realizado pelo Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi) do CPChoque da PMCE ao imóvel de João Luiz, o suspeito tentou empreender fuga pulando os muros de casas próximas e chegou a fazer um adolescente refém. No entanto, a vítima conseguiu se desvencilhar e o suspeito efetuou disparos contra os policiais militares especializados.

João Luiz foi a óbito e, com ele, foi apreendido um revólver calibre 38, com duas munições intactas e quatro deflagradas. Ele foi socorrido, mas foi a óbito no hospital. Os três capturados foram encaminhados à Delegacia Metropolitana de Cascavel da PC-CE, onde um inquérito policial e um ato infracional foram lavrados. Wesley e Luan foram autuados em flagrante por favorecimento real, porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas. Em desfavor do adolescente foi lavrado o ato infracional análogo ao crime de homicídio com o agravante em razão de ter como vítima um profissional de segurança, uma vez que as oitivas indicaram que o crime ocorreu em razão dos suspeitos terem reconhecido o soldado Thiago como policial militar.

Equipes empregadas

O trabalho policial visando a localização dos envolvidos foi realizado por equipes do Policiamento Ostensivo Geral (POG) do 15º Batalhão, do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio), do Comando de Policiamento de Choque (CPChoque), por meio do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi) e do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), e da Assessoria de Inteligência (Asint) da PMCE; da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da SSPDS e de policiais civis da 11ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga crimes contra à vida de profissionais de segurança pública, e da Delegacia Metropolitana de Cascavel. As buscas contaram ainda com o apoio de um helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) da SSPDS.