Sem-título-5 Saúde
Foto: Reprodução

Gestão compartilhada para postos de saúde e hospitais municipais é ideia a ser aprimorada e proposta, no decorrer de 2017, a universidades que concentram cursos de graduação na área de saúde em Fortaleza. Com atuação em territórios a serem escolhidos, a iniciativa visa aumentar a movimentação de estudantes, residentes e internos na rede. Segundo o prefeito Roberto Cláudio (PDT), a cogestão de equipamentos vai permitir a melhoria dos serviços enquanto as instituições ganham mais espaços de ensino.

Essas parcerias estão entre as inovações que o prefeito pretende introduzir na saúde no segundo mandato.

Inicialmente, a Prefeitura busca parceria com quatro instituições de ensino que possuem cursos na área de saúde: Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Estadual do Ceará (Uece), Universidade de Fortaleza (Unifor) e Centro Universitário Christus (Unichristus). Os alunos de cursos como Medicina e Enfermagem deverão ter mais inserção em postos de saúde escolhidos e Frotinhas, por exemplo.

“Os hospitais que têm essa característica, no mundo, têm mais qualidade. Eles têm educação, ensino, protocolo, monitoramento de qualidade, prontuário acompanhado”, detalha o prefeito ao explicar os potenciais ganhos.

Planejamento

O regime de cogestão de unidades escolhidas ainda não está definido. Mas, as conversas foram iniciadas com UFC e Unifor até agora. Inicialmente, a ideia é que a Prefeitura fique com a assistência, enquanto as instituições entram com as atividades de ensino.

As prospecções de custos e do modelo de gestão estão sendo feitas para que a Prefeitura pense nos detalhes: quem responde por reformas, abastecimento de remédios, consertos de equipamentos.

Dependendo da região escolhida para estas parcerias, uma ideia é criar conselhos gestores para o acompanhamento das unidades. Assim, as decisões acerca dos equipamentos seriam tomadas pelo Município e pelas universidades dentro da estrutura dos conselhos. Para Roberto Cláudio, isso permite que as instituições proponham ajustes em protocolos clínicos e procedimentos adotados nas unidades em que estiverem presentes.

 

Fonte: O Povo