Psicanalista alerta para os cuidados com o transtorno de ansiedade

Já ficou comprovado que o Brasil é o país mais ansioso do mundo. De acordo com dados recentes da Organização Mundial da Saúde, 18,6 milhões de brasileiros convivem com o transtorno de ansiedade, o que representa 9,3% da população. Com os reflexos da pandemia do coronavírus ainda em alta, o número de pessoas que convivem com o problema pode ter aumentado ainda mais.

 

Mas o que exatamente seria o transtorno de ansiedade? Para Eloah Mestieri, psicanalista especialista em transtorno de ansiedade, é o resultado de uma somatória de fatores, que incluem, além de crenças nucleares inconscientes,também componentes biológicos, ambientais, história de vida, hábitos, dentre outras coisas.

Ao levar todos esses fatores em consideração, a especialista acredita que o tratamento não pode privilegiar somente um destes aspectos. “Quero dizer que não se pode tratar uma patologia com causas multifatoriais valendo-se apenas de uma só técnica”, explica Eloah.

“Evidentemente, a abordagem psicanalítica, no que diz respeito à investigação das causas inconscientes, é um aspecto de fundo, essencialmente importante, mas foram surgindo novas técnicas de abordagem, validadas pela comunidade médica, muito eficazes que podem e devem ser agregados ao processo, contribuindo para um alívio mais rápido, se utilizados comitantemente à análise psicanalítica convencional”, completa.

Ainda segundo Eloah, o tratamento deve privilegiar todos os componentes envolvidos, incluindo um programa de dieta, exercícios físicos e treinamentos comportamentais. “O ideal é que todo esse ‘ataque’ ao transtorno de ansiedade seja conduzido por apenas um profissional, porque desta forma, permite uma melhor avaliação e regulação do tratamento, com exceção, claro, da administração de fármacos controlados, que cabem apenas ao psiquiatra. Neste caso, deve haver uma interação e uma comunicação entre analista e médico para uma atuação integrada”, pontua a especialista.

Sobre a recuperação da patologia, Eloah afirma que o transtorno de ansiedade tem cura, mas alerta no sentido de que a ausência de um tratamento adequado pode levar à uma séria depressão. “Hoje, já está amplamente comprovado que apenas o tratamento químico não pode resolver o problema do transtorno de ansiedade, bem como o da depressão e tantos outros”, encerra a especialista.