Informações-podem-ser-repassadas-diretamente-do-seu-celular Saúde A Prefeitura de Fortaleza está lançando o aplicativo para celular e tablet “Xô, Mosquito!”. O programa foi desenvolvido pelo Instituto de Planejamento de Fortaleza (Iplanfor) para atender a uma demanda da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a fim de conseguir o engajamento dos fortalezenses no combate aos focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya na Cidade. A ferramenta está disponível para download gratuito nas lojas virtuais Google Play e Apple Store.

O “Xô, Mosquito!” está disponível apenas para dispositivos móveis. Com ele, qualquer cidadão poderá identificar e combater os focos do mosquito Aedes aegypti dentro de casa, no quintal e na vizinhança.

O Iplanfor reuniu neste aplicativo informações sobre as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, formas de prevenção e check list de medidas preventivas. Com isso, possibilita à Secretaria da Saúde ter dados que possam ajudar na prevenção dos casos.

Rotina

O novo aplicativo ajuda as pessoas interessadas em estabelecer uma rotina semanal de verificação dos potenciais focos do mosquito em casa. O resultado dessa verificação dará origem a relatórios que serão encaminhados à Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covis), que vai gerir o dado e ajudar a SMS a verificar o grau de engajamento da população no combate ao Aedes aegypti.

Ana Cláudia Teixeira, titular da Diretoria do Sistema de Informações (Disin) do Iplanfor, explica que a ideia é transformar o cidadão em um colaborador dos agentes de endemias do Município. Tanto é que o aplicativo traz uma versão digital de uma tabela (“Foco no Foco”) que os agentes utilizam nas visitas para prevenção ou combate aos focos do mosquito, além de permitir o envio de e-mail para a Vigilância em Saúde – Celular de Vigilância Ambiental com sugestão, reclamação, elogio e outros assuntos.

Fácil e completo

Pedro Henrique Brito, programador e webdesigner do Iplanfor, responsável pelo desenvolvimento do aplicativo, diz que a intenção foi criar algo bem simples e, ao mesmo tempo, mais completo que a check list que os agentes carregam. “Além de mostrar como fazer a checagem, a limpeza e quais itens devem ser verificados, o aplicativo traz informações sobre o mosquito, sobre as doenças transmitidas por ele, a situação da epidemia em cada um dos 119 bairros de Fortaleza, com o número total de casos notificados, além das últimas notícias sobre o assunto que foram ao ar no site da Secretaria Municipal da Saúde”, descreve.

Qualquer cidadão poderá consultar o número de casos notificados no seu bairro, tendo informações sempre atualizadas, obtidas diretamente do Sistema de Monitoramento Diário de Agravos (SIMDA).

Os dados obtidos com os “agentes voluntários” também passarão a integrar os dados de saúde contidos no site Fortaleza em Mapas, da Prefeitura de Fortaleza e administrado pelo Iplanfor. Ana Cláudia explica que, ao baixar o aplicativo e se cadastrar, o usuário não é obrigado a preencher a lista de checagem toda semana. “Fica a critério e disponibilidade de cada um”, afirma. É importante destacar que o ciclo de vida do mosquito, do ovo até a fase adulta, é de aproximadamente sete a 10 dias e que, portanto, será de grande importância a revisão semanal dos possíveis criadouros para evitar que o ciclo se complete.

A coordenadora da Vigilância em Saúde da SMS, Renata Mota, acredita que o aplicativo será um aliado importante na luta contra o mosquito Aedes aegypti. “Temos que fazer um trabalho de formiguinha, de casa em casa, nas escolas, entre outros e contar com o apoio de toda a população. Com o aplicativo, teremos a modernidade como aliada”, ressaltou.

Serviço
Para baixar o aplicativo “Xô, Mosquito”, a população pode acessar, direto do telefone celular (smartphone):
– o Google Play (se for um dispositivo Android) ou
– a Apple Store (se for um dispositivo iOS)