coronavírus prevenção saude
Foto: Handout

Enquanto Fortaleza inicia, nesta segunda-feira (13), a fase dois da pesquisa de soroprevalência na população, os municípios de Sobral e Iguatu recebem os resultados da primeira fase do estudo. Ao todo, somando as duas cidades, a investigação projeta que 25,6 mil pessoas podem já ter desenvolvido anticorpos para a Covid-19 (doença causada pelo coronavírus).

Desta vez, além de avaliar a parcela da população com defesas no organismo contra o vírus, o Governo do Ceará, em parceria com as secretarias municipais de saúde, Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e Instituto Opnus de Pesquisa, está realizando a busca ativa de pessoas infectadas, com inclusão de testes RT-PCR, que detecta a fase aguda da doença. Conforme a pesquisa, 57,3 mil pessoas em Sobral e em Iguatu tiveram contato com o coronavírus (incluindo as que estão com o vírus ativo e as que já desenvolveram anticorpos).

Para chegar a esse número, os técnicos aplicaram testes em 1,5 mil pessoas nas duas cidades (800 em Sobral e 700 em Iguatu) e projetaram os resultados sobre a população total (semelhante ao que ocorre em pesquisas de opinião). A rede integrada de informações entre o Estado e os municípios já permite que a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) identifique os casos graves e óbitos provocados pelo coronavírus. A pesquisa de soroprevalência e busca ativa tem como foco detectar os casos com menor gravidade e os assintomáticos.

De acordo com Magda Almeida, secretária executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, à medida que a doença avança, o Governo do Ceará expande a pesquisa. A ideia é que os dados científicos sempre estejam norteando as ações do Estado.

Segundo ela, uma cidade de cada região de saúde recebe a pesquisa. Fortaleza foi a primeira, por ser o epicentro da doença no Ceará. Na Região Norte, Sobral foi escolhida. Iguatu foi selecionada por estar na Macrorregião do Cariri. O Sertão Central e o Litoral Leste/Jaguaribe, com avanço mais lento do vírus, ainda poderão receber o estudo.