Pacientes neurocirúrgicos
Foto: Divulgação

Muitas doenças que afetam o sistema nervoso central acometem pessoas com mais de 60 anos, no entanto, a idade não é o único fator que pode influenciar no agravamento dos casos do novo coronavírus. Algumas condições neurológicas, por exemplo, são tratadas com imunossupressores e também podem gerar agravamento dos casos do Covid-19.

De acordo com o neurocirurgião da NeuroAnchieta, Dr. André Borba, certas limitações comuns aos pacientes neurológicos implicam no aumento de risco. “Pessoas com quadros de demência podem ter dificuldade para limpar as vias aéreas ao cuspir ou tossir. Elas podem não perceber ou não ter força para eliminar a secreção, que pode ser aspirada para o pulmão, piorando o quadro de uma infecção respiratória, inclusive a Covid-19. Pacientes com doenças neuromusculares podem, além dessas dificuldades, ter uma limitação na força para os movimentos de respirar. Se acometido pelo vírus no pulmão, o esforço para manter a respiração adequada pode provocar fadiga. Assim, também estão no grupo de risco para uma má evolução, caso infectados”, explica Dr. André Borba.

Esses pacientes podem ter complicações diversas como a diminuição da coordenação para engolir; aspirações, quando os líquidos que deveriam seguir até o estômago erradamente param no pulmão; cansaço e engasgos na tentativa de respirar. “Isso pode levar ao agravamento da infecção, surgimento de outras infecções ao mesmo tempo, necessidade precoce de respirador mecânico e, no final, aumentam o risco à vida dessas pessoas”, conta o especialista.

Sequelas

Segundo o neurocirurgião, ainda não são conhecidas as sequelas decorrentes do coronavírus a longo prazo. No entanto, estima-se que possa haver uma perda parcial na capacidade respiratória, a depender do grau de envolvimento do pulmão. Além disso, por serem prolongadas, as internações podem aumentar o risco de outros tipos de pneumonia e de infecções em outros órgãos, como rins ou bexiga.

Outra complicação neurológica possível é a polineuropatia do paciente crônico, uma condição resultante de alterações no metabolismo e na imunidade, além do longo tempo restrito na cama e de pressões sobre partes do corpo próximas aos nervos.

Pacientes neurocirúrgicos
Pacientes com cirurgia marcada devem redobrar as precauções.“Exames de rastreamento de infecção com pesquisa do vírus e da resposta imunológica do indivíduo, através da sorologia, podem ser indicados. Pacientes que vão fazer operações envolvendo as vias aéreas, como em uma cirurgia para tumor de hipófise, exigem particularmente mais cuidados, pois é nessa região que o vírus costuma se instalar”, explica o Dr. André Borba.

“Os cuidados são os habituais para o tipo de cirurgia, além de é claro, os cuidados de prevenção contra o coronavírus. O paciente também deve seguir as recomendações do seu médico, tomar os remédios que foram prescritos e evitar a automedicação”, ressalta.

Cuidados redobrados
É importante lembrar sobre a importância da prevenção. Usar máscara, evitar aglomerações, lavar as mãos, usar álcool gel, cuidar da saúde mental etc, são alguns desses cuidados. Caso o paciente também seja portador de uma doença crônica, é imprescindível que mantenha o tratamento em dia e esteja sempre em contato com o médico.