O contágio pelo coronavírus pode acontecer através dos olhos?

Evitar tocar os olhos passou a ser um mantra em tempos de Covid-19, já que eles podem ser uma via para o novo coronavírus entrar no organismo. O germe é capaz de causar conjuntivite, como mostrou um estudo publicado no periódico científico Journal of Medical Virology. Realizado na China, o trabalho avaliou a lágrima e secreções da conjuntiva – membrana mucosa que reveste a esclera, a parte branca do olho – de 30 pacientes com pneumonia derivada da contaminação pelo vírus.

As amostras foram analisadas por meio do exame RT-PCR, que diagnostica a infecção pelo Sars-Cov-2. No único paciente com conjuntivite, o resultado deu positivo para a presença do micro-organismo no material coletado.

É possível pegar o coronavírus pelas mucosas dos olhos?
De acordo com Dr. Herberto Reuben C. Lima, Diretor Técnico da Clínica Checkup dos Olhos, é possível se infectar com o Covid-19 através da mucosa dos olhos, assim como através de qualquer tecido mucoso que reveste as cavidades oral, nasal, auricular, intestinal e genital. Por motivo de nossos hábitos, muitas vezes inconscientes, as principais portas de entrada do vírus são os atos de levar às mãos para a boca, o nariz ou os olhos.

“Os aerossóis dispersados através da fala, tosse e espirro também podem carrear os vírus para essas mucosas.  Em relação aos olhos, além de lavar ou desinfetar as mãos com álcool gel com frequência, evite coçar os olhos; proteja-se mantendo o distanciamento social e use óculos com ou sem grau, ou a máscara facial (face shield) “, comenta Dr. Herberto.

Como a contaminação pode acontecer?
Ainda segunda o especialista, a lágrima é drenada para o canal lacrimal, vai para o saco lacrimal e segue para a mucosa do nariz até chegar na faringe. Seu trajeto termina na garganta. É o mesmo percurso no qual o vírus circula. Eliminações lacrimais podem estar presentes em toalhas e roupa de cama, por exemplo.

“O olho resseca muito rápido. Ele tem uma película de hidratação, o filme lacrimal. Esse filme tem camadas. A mais externa é formada por gordura, encarregada de criar uma tensão superficial que “segura” a lágrima na região. A segunda camada é a parte aquosa, constituída de água, enzimas, eletrólitos e proteínas, que nutrem a córnea”, informa o oftalmologista.

Há necessidade de EPIs para os olhos?  
Segundo um alerta emitido pela Academia Americana de Oftalmologia, a doença pode atacar as vias respiratórias pelo canal lacrimal, isso porque a superfície ocular está conectada ao nariz por este canal.
No relatório divulgado pela entidade médica dos Estados Unidos, o novo coronavírus pode causar conjuntivite. E, uma vez que frequentemente pacientes com inflamação ocular apresentam-se para tratamentos com oftalmologistas, esses médicos podem ser os primeiros a identificar possíveis casos da doença. Com isso, muitos pacientes se questionam sobre o uso de EPIs para os olhos.

“A mucosa dos olhos é o tecido que recobre a parte interna das pálpebras e tem uma pequena vantagem em relação à oral e a nasal porque está menos exposta e não aspirar os aerossóis. Ao ar livre ou ambientes arejados pode-se dispensar os EPIs, porém, em locais fechados o risco aumenta. Os óculos convencionais conferem uma certa proteção, mas em ambientes de risco alto, como hospitais e transporte público lotado, o ideal seria EPI, tipo óculos fechado ou a máscara facial”, lembra   Dr. Herberto.

Cuidado na higienização de óculos e Lentes de contatos
Ainda de acordo com o especialista, não é aconselhável o uso de álcool ou qualquer tipo de material de limpeza para higienizar seus óculos. Você pode danificá-los permanentemente; use somente produtos específicos encontrados para venda em óticas e água em temperatura ambiente.

Alguns estudos demonstraram que não há aumento do risco de contrair Covid-19 com o uso das lentes de contato se as medidas usuais de higiene forem preservadas. Tipos lavar as mãos antes de manipular as lentes e fazer a desinfecção das mesmas com os produtos indicados.

“Sabonetes de glicerina recomendados na internet podem danificar as lentes dos seus óculos. Existem alguns anti-embaçantes específicos para lentes de óculos. Mas, prefira máscaras com o dispositivo para maior contato com a pele do nariz para evitar o embaçamento ao respirar”, ressalta o especialista.

Home Office
Mas ainda não está claro quanto tempo o vírus é infectante nessas condições. Home office há maneiras de aumentar a proteção. Quem está trabalhando em casa quase sempre permanece mais tempo em frente à tela do computador ou do celular. Isso interfere na nossa capacidade de piscar.

O olho fica mais aberto e estático e pisca-se até três vezes menos. O resultado é o ressecamento, característica da síndrome do uso excessivo da tela do computador. Seus sintomas incluem ardência, vermelhidão, visão embaçada e cansaço dos olhos. Grau desregulado dos óculos também entra nessa equação.

Pausa necessária
Para evitar que os olhos sofram com o trabalho exaustivo diante do computador, o ideal é que, a cada 20 minutos, faça-se uma pausa de 1 minuto longe da tela. Mirar o horizonte ou qualquer coisa distante descansa a visão – já o que é próximo tem o efeito contrário. Isso porque o ser humano tem olhos de predador: são paralelos e adaptados para ver uma “caça” de longe. Assim como os do águia. Com os animais que são presas, a história é diferente.

Piscamos os olhos 15 vezes por minuto, em média. É tão rápido o piscar que não percebemos alteração na visão. Mas, quando fixamos o olhar em leituras prolongadas, seja no papel ou na tela, essa frequência se reduz até pela metade, o que interfere na lubrificação e na qualidade da lágrima, expondo mais a conjuntiva e mucosa. Isso tende a gerar ardor e prurido, que faz com que esfreguemos os olhos sem perceber. Portanto, use colírios lubrificantes nessas ocasiões. Pingar uma gota até seis vezes ao dia de acordo com a intensidade dos sintomas de coceira. E, naturalmente, evite esfregar os olhos com as mãos, além de evitar o vírus, evita causar outras lesões”, finaliza Dr. Herberto.