Após a chegada das 229.200 doses da vacina Coronavac contra a Covid-19 em Fortaleza, a Prefeitura e o Governo do Estado iniciaram a imunização de profissionais da saúde do Hospital Leonardo da Vinci e do Instituto Dr. José Frota (IJF). Ambos são unidades de referência no tratamento de casos de Covid-19 e vêm acolhendo pacientes de todo o Ceará.

O prefeito José Sarto e o governador Camilo Santana, juntamente com a vice-governadora Izolda Cela e do secretário de Saúde do Estado, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho (Dr. Cabeto), acompanharam todo o processo, desde o desembarque até a aplicação das primeiras doses nas unidades de saúde.

A técnica de enfermagem do Hospital Leonardo da Vinci, Maria Silvana Souza Reis, de 51 anos, foi a primeira cearense imunizada no Estado. “Não tenho medo de ser vacinada, de jeito nenhum. Estou muito feliz, quero agradecer pela oportunidade e vou continuar lutando na linha de frente”, disse emocionada e sob aplausos.

No IJF, a primeira vacinada foi a também técnica de enfermagem, Rosemeiry Menezes, de 50 anos. Ela atua no Hospital desde 2018, nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs). “É uma nova vida, é renascer. Tenho certeza que muita gente espera por isso. Eu fui a primeira e espero que muita gente sinta a emoção que estou sentindo hoje”, testemunhou.

Ao todo, seis pessoas foram imunizadas no Hospital Leonardo da Vinci e mais cinco no IJF, dentre elas, o indígena da tribo dos Tapebas, em Caucaia, Antonio Ricardo Domingos da Costa, “Dourado Tapeba”, de 59 anos.

Do total de vacinas recebidas nesta segunda, 80 mil, aplicadas em duas doses, serão destinadas aos grupos prioritários da fase 1 do Plano Municipal de Vacinação Contra a Covid-19. “É uma alegria muito grande e o que importa não é a quantidade, mas sim o início do processo, o início do fim da pandemia. E será realizado em um brevíssimo prazo a depender de todos os esforços do governador Camilo e do Governo Federal”, destacou o prefeito José Sarto.

O gestor discursou, ainda, em tom de reconhecimento por parte da gestão municipal, pelo trabalho de enfrentamento à doença. “Este hospital foi criado com um propósito e foi completamente ressignificado durante a pandemia. Venho parabenizá-los pela competência que foi fundamental para que tivéssemos os resultados que temos hoje no combate à Covid”, disse.

Camilo Santana, em discurso no Leonardo da Vinci, ressaltou que a chegada das vacinas é uma vitória do Ceará, do Brasil e da ciência. O governador reforçou que a vacina é a única forma de buscar a volta da normalidade e garantiu que as doses destinadas ao interior começam a ser distribuídas ainda nesta segunda-feira, de modo a iniciar imediatamente a imunização dos cearenses.

“São 160 equipes preparadas para fazer a distribuição no interior do Ceará ainda hoje. Estamos preparados com refrigeradores, agulhas, seringas e equipes devidamente orientadas”, completou.

Imunização

A partir desta terça-feira (19/01), os profissionais que atuam na linha de frente em outras unidades hospitalares com enfermarias e UTIs para pacientes com Covid-19 começarão a ser imunizados nos seus locais de trabalho. A vacinação ocorrerá nos três turnos (manhã, tarde e noite), com o objetivo de acelerar o procedimento, garantindo a imunização no menor tempo possível. Para se vacinar, os profissionais devem apresentar documento com foto.

A vacinação dos demais grupos que compõem a primeira fase da campanha deve acontecer de acordo com a distribuição das vacinas, realizada pelo Ministério da Saúde.

Segundo lote

Camilo Santana afirmou que mais doses devem chegar ao Ceará ainda esta semana. O Governo aguarda a liberação da Anvisa para o uso emergencial das 4 milhões de unidades já produzidas pelo Instituto Butantan. Também devem chegar nos próximos dias, ao Brasil, mais 2 milhões de vacinas da Astrazeneca, vindas da Índia, que já foram adquiridas.

“Vamos continuar lutando para ter, o mais rápido possível, o maior número de vacinas para imunizar a população cearense”, assegurou o governador.

Enquanto as gestões estadual e municipal se preparam para receber os próximos lotes, é importante lembrar que a pandemia ainda não acabou. “É preciso fazer prevenção, usar máscara e evitar aglomerações. Vemos uma forte segunda onda em estados brasileiros e no mundo todo. Vamos continuar acompanhando e orientando, e a situação só vai se normalizar com a vacina”, ressaltou Camilo Santana.