COVID-19-riomar-fortaleza
Foto: Divulgação

Uma cerimônia, nesta segunda-feira (10), marcou o início das operações da Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, que vai ampliar a capacidade nacional de processamento de testes moleculares para detecção do novo coronavírus. Em seu pleno funcionamento, a unidade poderá processar até 15 mil testes por dia.

A nova unidade está localizada na sede da Fiocruz e é equipada com plataformas automatizadas. De acordo com a Fundação, a iniciativa faz parte das estratégias de apoio aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens) e de ampliação da testagem como ação fundamental para a vigilância epidemiológica do vírus e o enfrentamento da pandemia.

O ministro interino na saúde, Eduardo Pazuello, participou do evento e disse que há no país um esforço de guerra para combater a pandemia de Covid-19. “Estamos num esforço de guerra, estamos lutando contra uma pandemia e o nome disso é esforço de guerra. O orçamento que foi liberado é um orçamento de guerra”, disse o ministro. “Não existe nesse momento diferenças partidárias ou ideológicas. Somos todos brasileiros combatendo dia a dia, da melhor forma, nos dedicando para que não haja mais mortos no nosso país”, acrescentou

A estrutura instalada no Rio de Janeiro teve equipamentos financiados pela iniciativa Todos pela Saúde. A operação será custeada pelo Ministério da Saúde. Outra Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19 será inaugurada na regional do Ceará, com previsão para começar a operar ainda em agosto, podendo executar diariamente até 10 mil testes moleculares.

Equipadas com plataformas que utilizam a metodologia de PCR em tempo real, as unidades têm potencial para funcionar em tempo integral, sete dias por semana. A expectativa é que mais de 350 profissionais, incluindo biologistas e técnicos de laboratório capacitados, se revezem em três turnos de trabalho para processar as amostras que são encaminhadas pelo Ministério da Saúde.