Uma ampola de 0,5 ml traz conforto para quem tem atravessado dias difíceis. A vacinação contra a Covid-19 começou no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), equipamento vinculado à Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), nesta quinta-feira (21). É o quarto dia de imunização no Estado. A aplicação do imunizante teve início por volta das 10h, priorizando os profissionais do laboratório de análises do coronavírus. Ao todo, 88 pessoas receberam a vacina nesta fase inicial.

“A vacina é esperança que, em breve, vamos voltar a normalidade”, afirma a farmacêutica Veridiana Miyajima, de 46 anos. Ela esteve na linha de frente coordenando e supervisionando o laboratório de Covid-19 do Hemoce desde o início da pandemia. Ela foi primeira a receber a dose da Coronavac, produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, na unidade. “Estou muito feliz e grata, mas esse momento foi também de reflexão. Fiquei me perguntando: quantas vidas foram perdidas porque não tiveram essa oportunidade? Posso dizer que sou uma privilegiada por ter sobrevivido e mais ainda por receber a vacina. É, sem dúvida, emocionante e gratificante”, comemora.

Emoção e sentimento de vitória foi o que descreveu a biotecnologista Maisa Pinheiro após receber a primeira dose do imunizante. “Comecei aqui como voluntária. Desde o princípio estive participando do processo de construção do laboratório de Covid-19. Montamos protocolo, organização do setor, tudo começando do zero e, hoje, presenciar esse avanço da ciência, da inovação, da biotecnologia, me enche de satisfação e gratidão”.

O frasco contém o próprio vírus inativado, estratégia mais comum usada para imunizantes. Para a aplicação, o Hemoce recebeu uma equipe de quatro enfermeiras de imunização da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS), responsável pela vacinação na Capital.

Ao longo do dia, 88 funcionários foram vacinados. O grupo prioritário recebeu a primeira dose e, após 28 dias, receberá a segunda. O farmacêutico Sivoney Sena já está contando os dias. “Não vejo a hora de concluir o ciclo e ter a garantia da imunização completa. Depois de dez meses no enfrentamento à doença, período que a gente esteve no olho do furação, ver essa vacina chegar é sentir que estamos vencendo”.

Desde março de 2020, o Hemoce desenvolveu, em parceria com a Fundação FioCruz, o Laboratório de Covid-19. A unidade é parte do Laboratório de Biologia Molecular da unidade e atua em uma área reservada e exclusiva para análises de testes PCR de pacientes atendidos nos hospitais da rede estadual de saúde.

O material é coletado a partir de secreções das vias respiratórias (nariz e garganta) e enviado ao Laboratório de Biologia Molecular. Nos dez meses de atuação, o Hemoce já analisou mais de 30 mil amostras para o coronavírus.

Imunização em mais unidades estaduais

No Hospital Geral de Fortaleza (HGF), a equipe da Sala de Vacina da unidade assumiu a aplicação do imunizante na manhã desta quinta-feira (21). As mil doses recebidas estão sendo aplicadas durante todo o dia, atendendo uma lista prioritária de profissionais da saúde que estão na linha de frente no combate à pandemia de Covid-19.

“Estamos gratas e emocionadas em estar fazendo parte dessa história e contribuindo com o HGF”, compartilha Gilda Albuquerque, enfermeira da Sala de Vacina do HGF e uma das responsáveis pela aplicação do imunizante nos profissionais. A equipe se reveza durante todo o dia no espaço montado em frente ao auditório principal da unidade.

Emoção e sentimento de vitória foi o que descreveu a biotecnologista Maisa Pinheiro após receber a primeira dose do imunizante. “Comecei aqui como voluntária. Desde o princípio estive participando do processo de construção do laboratório de Covid-19. Montamos protocolo, organização do setor, tudo começando do zero e, hoje, presenciar esse avanço da ciência, da inovação, da biotecnologia, me enche de satisfação e gratidão”.

O frasco contém o próprio vírus inativado, estratégia mais comum usada para imunizantes. Para a aplicação, o Hemoce recebeu uma equipe de quatro enfermeiras de imunização da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS), responsável pela vacinação na Capital.

Ao longo do dia, 88 funcionários foram vacinados. O grupo prioritário recebeu a primeira dose e, após 28 dias, receberá a segunda. O farmacêutico Sivoney Sena já está contando os dias. “Não vejo a hora de concluir o ciclo e ter a garantia da imunização completa. Depois de dez meses no enfrentamento à doença, período que a gente esteve no olho do furação, ver essa vacina chegar é sentir que estamos vencendo”.

Desde março de 2020, o Hemoce desenvolveu, em parceria com a Fundação FioCruz, o Laboratório de Covid-19. A unidade é parte do Laboratório de Biologia Molecular da unidade e atua em uma área reservada e exclusiva para análises de testes PCR de pacientes atendidos nos hospitais da rede estadual de saúde.

O material é coletado a partir de secreções das vias respiratórias (nariz e garganta) e enviado ao Laboratório de Biologia Molecular. Nos dez meses de atuação, o Hemoce já analisou mais de 30 mil amostras para o coronavírus.

Imunização em mais unidades estaduais

No Hospital Geral de Fortaleza (HGF), a equipe da Sala de Vacina da unidade assumiu a aplicação do imunizante na manhã desta quinta-feira (21). As mil doses recebidas estão sendo aplicadas durante todo o dia, atendendo uma lista prioritária de profissionais da saúde que estão na linha de frente no combate à pandemia de Covid-19.

“Estamos gratas e emocionadas em estar fazendo parte dessa história e contribuindo com o HGF”, compartilha Gilda Albuquerque, enfermeira da Sala de Vacina do HGF e uma das responsáveis pela aplicação do imunizante nos profissionais. A equipe se reveza durante todo o dia no espaço montado em frente ao auditório principal da unidade.

As supervisoras da emergência Adulto do HRN Giselle Sanford e Giovanna Randal foram imunizadas na manhã desta quinta e, ao longo do dia, vacinaram outros profissionais da unidade. “É um marco na nossa vida pessoal e profissional, e vem sendo um desafio porque a pandemia ainda não acabou. Hoje, nós fomos imunizadas e estamos colaborando com a imunização dos nossos colegas”, conta Giovanna. “Este é um dia muito aguardado por todos porque nos traz uma esperança maior de trabalhar com Covid-19 estando imunizados. Contraí o vírus, passei 13 dias internada e, para mim, é um retorno para todos os profissionais que estão nos bastidores lutando para que a vacina chegasse para todos”, completa Giselle.