Os eleitores cearenses deverão escolher entre cinco nomes apresentados pelos partidos políticos quem será o seu candidato a governador nas eleições deste ano. Entre os indicados, velhos conhecidos das urnas, com experiência em campanhas majoritárias e dois estreantes. Um deles é o general do exército Guilherme Theophilo (PSDB), que tem o apoio do senador Tasso Jereissati e dará palanque a Geraldo Alckmin na disputa presidencial “Vamos mudar para uma gestão focada em resultados e um governo baseado na meritocracia e que o secretariado seja um secretariado de valor”, defendeu o tucano ao ter o nome oficializado na disputa.

Outro que estreia nesta eleição é o advogado Hélio Góis (PSL) que terá a missão de dar palanque a Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República.
“Eu os convido agora para um sacrifício maior: sair do conforto do seu lar e chamar a todos aqueles que comungam da mesma sensação de honra, aqueles que estão alinhados com os valores cristãos. Chamo cada um de vocês para uma luta em que eu pretendo dar exemplo”, conclamou Góis ao confirmar sua candidatura.
O atual governador Camilo Santana (PT) disputará a reeleição com um arco de aliança que envolve 24 partidos e dá a ele uma vantagem esmagadora de dinheiro, através do Fundo Eleitoral, e de tempo na propaganda no Horário Eleitoral Gratuito no Rádio e na TV.

A eleição para o Senado na chapa governista mostra uma divisão poucas vezes vista em aliança. As siglas foram divididas entre “quem vai com Cid e quem fica com Eunício”. As parcerias já estão definidas. Apoiarão a reeleição de Eunício Oliveira: PSD, PRB, Podemos, Avante, PHS, PSC e Solidariedade. Todos as demais legendas da maior coligação da história do Ceará ficarão com Cid.
“Nós não vamos resolver o problema da segurança com discurso oportunista. Nesse palanque não cabe vaidade. Para cada ataque que vier do lado de lá com ódio, desrespeitando a população, com baixaria na política, nós vamos responder com mais trabalho”, adiantou o governador durante convenção partidária.

Esquerda
Os partidos de esquerda estão representados pelo operário da construção civil, Gonzaga (PSTU), que já disputou a corrida para o Governo em 2010 e à Prefeitura de Fortaleza em 2012 e em 2016; e pelo bancário Ailton Lopes (Psol), que concorreu a eleição estadual para o governo em 2014 e para a Câmara Municipal em 2016.
“A nossa candidatura é uma candidatura que expressa a luta por direitos, ao contrário do que a gente tem visto. Na verdade, o que a gente está vendo é o que se repete em toda eleição, agora de uma maneira mais nítida que é o ajuntamento partidário num verdadeiro balcão de negócios. A prioridade do nosso programa são os direitos, porque pra nós não há paz sem direito”, defendeu Ailton no ato que homologou sua candidatura.

Já Gonzaga defende que os trabalhadores se “rebelem” contra “os poderosos”. “O PSTU participa das eleições com um programa que é diferente dos outros candidatos. Um programa voltado para a classe trabalhadora. Nesta eleição, nós estamos chamando os trabalhadores a fazerem uma rebelião neste País para derrubar os de cima, os poderosos”, ressaltou o candidato.

Prazo
No último domingo (05), foi encerrado o prazo para a homologação das candidaturas em convenções. Segundo a legislação eleitoral, as chapas completas com os candidatos, vices, alianças ou coligações foram oficializadas ontem.

 

Mulheres ficam com vice ou Senado
O espaço das mulheres nas chapas majoritárias ficou restrito às vagas de vice ou na disputa ao Senado. Dos cinco candidatos ao Governo, apenas Francisco Gonzaga optou por um homem para a vaga de vice. Ele entra na disputa ao lado do servidor público Reginaldo Ferreira. Todos os outros se aliaram a mulheres. Ailton Lopes tem como vice a militante Raquel Lima; Camilo Santana manteve Izolda Cela como vice; Hélio Gois divide a chapa com a professora Ninon Tauchmann; e o general Theophilo se aliou à vereadora de Caucaia, Emília Pessoa.

Ailton Lopes (Psol)
Formalizando a chapa com o PCB, o Psol apresentou ao Governo do Estado a candidatura do bancário Ailton Lopes junto à militante social Raquel Lima, candidata a vice-governadora. Ao Senado, o Psol formalizou as candidaturas da professora Anna Karina Cavalcante e do pastor Jamieson Simões. A convenção da legenda aconteceu no último dia 28 de julho, na sede do partido, em Fortaleza. Bancário, linguista, integrante do movimento sindical e LGBT, Ailton é considerado um dos principais nomes do Psol no Ceará. Ele disputou a eleição estadual para o governo em 2014 e para a Câmara Municipal em 2016.

Camilo Santana (PT)

A coligação “Com a Força do Povo”, formada por PT e PDT, lançou, no domingo (05), a chapa majoritária composta por Camilo Santana (governador, candidato à reeleição), Izolda Cela (vice-governadora) e Cid Gomes (para uma das vagas de senador). Engenheiro agrônomo, professor e governador do Ceará, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Foi Secretário do Desenvolvimento Agrário no governo de Cid Gomes, além de Secretário das Cidades no mesmo governo. Foi o deputado estadual mais votado do Ceará em outubro de 2010, com 131.171 votos. Em 2014, venceu as eleições para o governo, com 53,35% dos votos.

Helio Gois (PSL)

O Partido Social Liberal (PSL), em aliança com o Democracia Cristã, promoveu sua convenção, no último dia 29 de julho, para homologar o nome do advogado Helio Gois como candidato ao Governo do Estado, tendo como vice a professora Ninon Tauchmann. O médico Marcio Pinheiro foi escolhido para a disputa ao Senado. Helio Gois é formado em direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor), mestre em direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Essa é a primeira eleição que disputa, “buscando a renovação da política, como apontam as pesquisas de opinião”.

Gonzaga (PSTU)

O PSTU oficializou a candidatura do operário Francisco Gonzaga ao Governo do Ceará, na noite da quinta-feira (2), na sede do partido, em Fortaleza. O candidato a vice na chapa é Reginaldo Ferreira, servidor público em Limoeiro do Norte. A sigla apostou em chapa pura e tem apenas um nome concorrendo ao Senado, o operário Geraldo Magela. Francisco Gonzaga tem 60 anos e é trabalhador da construção civil. Natural do município de Croatá, já foi candidato ao Governo em 2010 e à Prefeitura de Fortaleza em 2016 e em 2012. Foi candidato a vice-prefeito da Capital em 2008, em aliança com Renato Roseno (Psol).

Theophilo (PSDB)

O PSDB confirmou oficialmente, em convenção, no dia 29 de julho, o nome do general Guilherme Cals Theophilo como candidato ao governo do Ceará. Quatro dias depois, a professora universitária e administradora de empresa, Emília Pessoa (PSDB), foi escolhida candidata a vice-governadora. O PSDB também oficializou a coligação com o Pros apenas para a disputa majoritária. No Senado, as legendas lançaram o empresário Luiz Eduardo Girão (Pros) e a médica Mayra Pinheiro (PSDB). Theophilo tem experiência em setores estratégicos para a segurança nacional e no combate ao tráfico de armas e drogas além do controle das fronteiras.