capitao Política
( FOTO: JOSÉ LEOMAR )

      O deputado estadual e candidato à Prefeitura de Fortaleza Capitão Wagner (PR) afirmou ontem, na Assembleia, que criminosos estão dizendo, nos bairros da Capital, em quem os eleitores devem votar para prefeito. Segundo o parlamentar, eles fizeram isso no primeiro turno e estão fazendo agora, na segunda etapa da disputa pela Prefeitura. Todo o pronunciamento de Capitão Wagner foi direcionado à política estadual de segurança pública, sendo esta a única relação entre a questão e a disputa travada entre ele e o atual prefeito, Roberto Cláudio (PDT).

Wagner cobrou do Governo do Estado posição a respeito da situação dos presídios do Ceará. “Cadê os bloqueadores que seriam instalados?”, questionou. “O grande causador dessa violência nos presídios e nas ruas do Ceará, (de) toda a situação, foi o próprio Governo quem criou quando anunciou antecipadamente a instalação, e em nenhum momento teve a coragem de fazer o que havia falado. Poderia ter ficado calado, adquirido sem alarde e até combinado com a imprensa que não divulgasse por questão de segurança”.

O parlamentar chamou atenção para a análise do relatório do Ministério Público do Ceará que aponta os motivos pelos quais aconteceram rebeliões, em maio, nos presídios cearenses, que resultaram inclusive em mortes. “Temos que cobrar, como fiscal do Executivo, como órgão que tem a prerrogativa de cobrar, o motivo pelo qual o Governo do Estado não tomou providência com relação à questão do sistema penitenciário”.

Outro episódio criticado por Wagner foi o assalto seguido de resgate de presos no 3º Distrito Policial, em Fortaleza, na manhã do dia 11 deste mês. “Chamou atenção de todos os profissionais de segurança e do Estado quando à luz do dia, a quatro quarteirões da Secretaria da Segurança Pública, numa delegacia onde o cidadão deveria se sentir seguro, bandidos invadem para assaltar quem estava registrando B.O por outro delito e para resgatar presos, deixando os policiais dentro da cela da delegacia. E para piorar ainda fugiram no carro da Polícia”.

O deputado apontou que, hoje, os criminosos sentem-se donos do Ceará, a ponto de fazerem acordos que reduzem homicídios e quebrarem pactos. “Agora quero ver se efetivamente a redução dos homicídios foi por conta do trabalho do governador Camilo Santana. Porque o pacto entre PCC e Comando Vermelho foi rompido”, desafiou.

Eleição

Em rápido momento em que fez menção ao processo eleitoral no qual concorre no segundo turno com o prefeito Roberto Cláudio, ele afirmou que o crime organizado estaria com tanto fôlego que chegou ao ponto de determinar até o que o cidadão pode fazer. “Estipula quem pode ir e vir nas comunidades e, nesse processo eleitoral, vi coisa que só tinha visto no filme Tropa de Elite. Os bandidos estão determinando, inclusive, em quem o cidadão vai votar. Chegam nas casas coagindo. Isso é perigoso demais porque, quando o crime se infiltra no processo eleitoral, o sufrágio está contaminado”.

Outro que usou da tribuna para mostrar preocupação com o clima de tensão nos presídios do Ceará foi Ely Aguiar (PSDC). Ele também lembrou a “guerra” e “confrontos” dentro das unidades, que causam desconforto e preocupação para a população cearense. “A situação, depois de solicitada a presença de tropas federais, foi controlada, mas ainda requer cuidado e ações por parte do Governo”, pregou.

Como já havia feito outras vezes, o parlamentar questionou a competência do secretário Hélio Leitão como titular da Secretaria da Justiça. “É um sonhador que está no lugar errado, no momento errado. Não tem perfil para conduzir a Secretaria da Justiça e sua administração, em minha concepção, é um verdadeiro desastre”, opinou Ely Aguiar.

 

Fonte: Diario do Nordeste