Foto: Reprodução

O processo de retomada do crescimento da economia cearense por meio do retorno gradativo das atividades, em meio à pandemia do novo coronavírus, será discutido pelo Grupo de Trabalho Estratégico, criado pelo Governo do Ceará. O objetivo é planejar ações que, sem perder de vista os cuidados relacionados ao combate à Covid-19, possibilitem toda a segurança necessária à retomada, em breve, do setor produtivo, permitindo a manutenção e a criação de empregos.

De acordo com o decreto publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) de 21 de abril, é “indiscutível, conforme evidências médicas e científicas, a importância do isolamento social para conter a curva de crescimento da pandemia, só assim sendo possível afastar o risco de um colapso no sistema de saúde”. O texto considera ainda ser decisivo para esse processo de reabertura gradual o planejamento de ações que “possibilitem toda a segurança necessária à rápida retomada da atividade econômica, que virá acompanhada de indiscutível impacto social positivo, permitindo a manutenção e a criação de inúmeros empregos”.

“Qualquer decisão, qualquer flexibilização, qualquer medida de reabertura de qualquer setor da economia do Estado, será pautada na orientação dos nossos especialistas, ouvindo a comunidade científica, para que a gente possa ter a decisão com muita responsabilidade, protegendo a população que está em primeiro lugar. O grupo de trabalho foi criado no sentido de construir um plano para saída desse momento, como está acontecendo em vários estados e vários países, construindo juntos em que momento podemos começar a pensar na retomada da economia, quais são os setores que poderão ser retomados, mas sempre pautados pelos especialistas, que são as pessoas que conhecem e têm nos orientado nas decisões”, explica o governado Camilo Santana.

Conduzido pela Casa Civil, o grupo será pautado pelas orientações técnicas e epidemiológicas da Secretaria de Saúde do Estado, prezando pela segurança necessária para conter a curva de crescimento da pandemia.

A comissão reúne representantes do poder executivo, do setor produtivo e de entidades da sociedade civil. A ideia é construir um plano e uma maneira de acompanhamento das ações necessárias ao rápido e seguro restabelecimento da economia cearense impactada pela Covid-19.