Foto: Divulgação

O Governo do Ceará está ofertando diariamente 29 mil litros de leite bovino e caprino para famílias cadastradas no Programa de Aquisição do Leite (PAA Leite). A política pública é executada pela Secretaria do Desenvolvimento Agrário e atende a 184.424 cearenses em situação de vulnerabilidade social. Durante o período de isolamento social, o produto é entregue diretamente às famílias nas portas das casas, ou com hora marcada nas entidades sociais espalhadas em 116 municípios do Estado.

Atualmente, o abastecimento de todo Ceará é garantido pelo esforço diário de 600 produtores de leite que ofertam o produto por um preço tabelado. “Somente nos últimos 30 dias, atendemos 160 famílias em situação de vulnerabilidade com a entrega de 6.317 litros de leite e 10.938 litros foram distribuídos por meio de entidades socioassistenciais já cadastradas”, comemora a coordenadora do programa em São Gonçalo Amarante, Anastácia Martins, citando o trabalho da equipe.

Como creches, escolas e demais entidades estão fechadas, por força dos decretos estadual e municipal, a Prefeitura realiza a entrega às instituições, que redistribui diretamente às famílias carentes. “Nesse momento, o programa é fundamental porque é uma das formas que o município tem de assegurar a segurança alimentar e nutricional das pessoas em situação de maior vulnerabilidade social”, frisa Anastácia citando a paralisação do trabalho informal.

“Em Palhano, o leite está sendo entregue todas as quartas-feiras no CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) e nas creches, seguindo todas as orientações do Governo do Ceará e da Organização Mundial de Saúde para evitarmos a contaminação pelo coronavírus”, acrescenta a secretária de Trabalho e Desenvolvimento Social, Érika Santiago.

Na avaliação da coordenadora estadual do programa, Gizeli Morais, o PAA Leite tem sido um verdadeiro divisor de águas no momento em que a população cearense se une no combate ao coronavírus Covid-19. “O leite é um alimento inerente ao cardápio da nossa população e, hoje, muitos cearenses não dispõem de condições financeiras de comprá-lo”, justifica a demanda apresentada ao Ministério da Cidadania de ampliação do programa.

“Os municípios que ainda não aderiram ao programa nos demonstram a necessidade da população mais carente, enquanto aqueles com o programa do leite em plena execução buscam ampliar o público atendido. Então, a coordenação estadual do PAA Leite liberou a entrega do produto e, desde que obedecidas todas as diretrizes do Ministério, as entidades podem, sim, ofertar o leite cadastrando o nome, o CPF e o NIS do beneficiário”, orienta Gizeli Morais.