Foto: Divulgação

A Prefeitura de Fortaleza divulgou, nesta terça-feira (11/01), o plano de trabalho preventivo para a quadra chuvosa de 2022. As medidas incluem ações assistenciais voltadas à saúde, à drenagem e à limpeza urbana. Além disso, foi apresentado o balanço referente às ações executadas no ano passado.

O plano de contingência inclui desde o diagnóstico de possíveis áreas inundáveis, inclusive com avaliação predial e notificações de edificações; à disponibilização de equipamentos utilizados pela Defesa Civil como redes, lonas e cestas básicas, por exemplo. Além disso, equipamentos públicos darão suporte ao abrigamento temporário dos habitantes em caso de necessidade.

As ações também incluem a limpeza de recursos hídricos, a desobstrução de canais e bocas de lobo, a poda e o recolhimento de árvores e a melhoria da infraestrutura de pavimentação e drenagem. Serão disponibilizadas 20 unidades de saúde para prestação de assistência aos casos relacionados às arboviroses.

Na ocasião, o prefeito José Sarto enfatizou que a Prefeitura irá trabalhar em parceria com o Estado para garantir proteção à população de Fortaleza durante o período da quadra chuvosa, minimizando riscos de ocorrências. Junto aos esforços do Município, ele destacou a importância da parceria da população tanto no descarte adequado do lixo quanto na eliminação de recipientes que podem acumular água e facilitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que transmite doenças como dengue, zika e chikungunya.

“A população pode ajudar a reduzir substancialmente a ocorrência dessas doenças com ações simples dentro de casa, prestando atenção no jarro de planta, garrafa ou pneu jogados no quintal que podem acumular água. Com essas ações, a gente já reduziria a transmissão dessas arboviroses, que coexistem com os outros vírus que estão circulando na nossa cidade, como o da Covid-19 e o da Influenza”, disse o prefeito.

O descarte correto do lixo também é importante para evitar problemas de insfraestrutura e de saúde nesse período mais intenso de chuvas. “Se você jogar aquele lixo em qualquer lugar, de repente, vai acabar entupindo um bueiro, um canal, represando a água e criando um ciclo que a gente chama de retroalimentação negativa, porque vai acumular água, atrair mosquito e potencializar a transmissão das doenças”, alertou.