A Prefeitura de Fortaleza começa a implantar, nesta segunda-feira (25/01), uma nova ciclovia na Av. Presidente Castelo Branco (Leste-Oeste) no trecho compreendido entre a Rua Jacinto Matos e Av. Alberto Nepomuceno. Na mesma data, a velocidade máxima para o tráfego de veículos passa a ser 50 km/h em novo trecho da via, desde a Rua Jacinto Matos até a Av. Dom Manuel. A previsão é que a sinalização seja concluída na primeira semana de fevereiro.

Desenvolvido pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), o projeto contempla uma ciclovia situada junto ao canteiro central em ambos os sentidos. “Vamos integrar os bairros Jacarecanga, Moura Brasil e Centro, passando pela Areninha do Pirambu, Igreja Santa Edwiges, Marina Park e Mercado Central em um percurso de 2,7 km seguro para os ciclistas”, explica o engenheiro do órgão, Gustavo Pinheiro.

A infraestrutura cicloviária vai se conectar aos 5 km já existentes ao longo da Av. Leste-Oeste e ao Centro por meio da ciclofaixa localizada na Av. Alberto Nepomuceno, no Mercado Central. Segundo o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil), Fortaleza é a capital brasileira onde as pessoas vivem mais próximas à rede cicloviária com 49% dos habitantes morando a menos de 300 metros de alguma ciclovia, ciclofaixa, ciclorrota ou passeio compartilhado.

Após essa intervenção, usuários de bicicleta poderão se deslocar com segurança nos 350 km de malha cicloviária à disposição na cidade. A previsão é implantar na gestão do prefeito José Sarto mais 150 km de infraestrutura, totalizando 500 km ao final de quatro anos.

Velocidade

A readequação da velocidade na Av. Leste-Oeste, que já opera com 50 km/h entre a Ponte da Barra do Ceará e a Marinha, será prolongada até a Av. Dom Manuel. O resultado da medida foi satisfatório com a redução de 40,60% no quantitativo de atropelamentos e de 20,2% no índice de acidentes com vítima. Em relação a acidentes envolvendo ciclistas, a queda foi de 23,9%. Já a estatística de acidentes fatais reduziu 34,2%.

Será dado um período educativo de seis meses, a partir da conclusão da sinalização, para os motoristas se adaptarem ao novo limite de velocidade. O trabalho contará com a presença dos agentes, orientadores e educadores de trânsito auxiliando condutores e pedestres nos principais cruzamentos. A aplicação de penalidade, entretanto, só terá início após essa fase de educação no trânsito.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), readequar a velocidade de 60 para 50 km/h em uma via aumenta em dez vezes a chance de uma pessoa atropelada sobreviver. O excesso de velocidade interfere no campo visual do motorista, dificultando a percepção de pedestres e outros obstáculos nas ruas.

Em Fortaleza, é o principal comportamento de risco cometido.  Conforme pesquisa realizada pelo órgão de trânsito, disponibilizada no Relatório Anual de Segurança Viária, 18% dos veículos excederam a velocidade no ano passado. O desrespeito é ainda maior quando o usuário é motociclista. Um a cada quatro motociclistas desrespeita o limite de velocidade.

“Enquanto poder público, estamos fazendo a nossa parte ao criar condições de deslocamentos mais seguras. A responsabilidade deve ser compartilhada com a sociedade, que deve respeitar a sinalização e dirigir com cuidado e atenção, protegendo a sua vida e a do outro”, finaliza a superitendente da AMC, Juliana Coelho.