A Prefeitura de Fortaleza informa, por meio da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), que o cartão de gratuidade às pessoas com deficiência (PcDs) no transporte público coletivo urbano está sendo renovado automaticamente durante o período da pandemia da Covid-19.

A Capital conta, atualmente, com 28.508 cartões da gratuidade ativos. Todos estes usuários não precisarão se deslocar à Diretoria de Acessibilidade, Sustentabilidade e Inclusão Social (Diasis) na sede da Etufor para solicitar novamente o benefício, que perdia a validade e eram bloqueados após o período de um ano.

“Desde março de 2020 até o presente momento, nós nos organizamos para não interromper o serviço da gratuidade e nem expor o usuário. Quem possuir o cartão ativo, pode permanecer em casa não, pois vai ser bloqueado”, garantiu a assistente técnica da Diasis, Aline de Castro. Somente em 2020 foram 9.296 atendimentos realizados na unidade.

Entre os beneficiados, estão pessoas com deficiência mental/intelectual, com deficiência física; auditiva; múltipla e visual. Os usuários podem utilizar o cartão com direito a acompanhante, caso a presença do mesmo seja imprescindível.

Conforme Aline, o cartão gratuidade possui um impacto positivo na vida dessas pessoas, que estão em situação extremamente vulnerável. “Com o acesso ao transporte, garantimos o direito à saúde, à educação, ao lazer. Possibilitamos que essas famílias possam levar essa pessoa para a realização de tratamentos contínuos, garantimos também o acompanhante. Tudo isso possui reflexos importantes”, enfatizou.

Para solicitar a primeira via, perdeu ou teve ocasionalmente o cartão bloqueado, é preciso agendar o atendimento. A medida foi adotada também em virtude da pandemia, para evitar aglomerações. O agendamento pode ser feito pelos telefones (85) 3131-7834, (85) 3105-3096 ou ainda pelo site https://etuforweb.fortaleza.ce.gov.br/.

É necessário vir pessoalmente à Etufor ou se fazer representar por responsável legal, portando os documentos atualizados que comprovem a condição da pessoa com deficiência (laudo médico padrão) e seu perfil socioeconômico atualizado, para que seja verificado se o solicitante atende aos pré-requisitos para ser contemplado.