Consumidor crédito juros
Foto: Divulgação

 A busca dos brasileiros por crédito teve queda de 25,7% em abril deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passado. De acordo com o Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito da Serasa Experian, essa foi a retração mais acentuada da série histórica iniciada em janeiro de 2008 e a terceira queda seguida em 2020. Em relação a março de 2020, o índice também mostra retração de  13,5%.

De acordo com o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, o atual cenário econômico desencorajou a ampliação do consumo via crédito e a tomada de empréstimos para formação de patrimônio. “Neste momento, permeado por incertezas e queda da renda, o consumidor priorizou gastos de primeira necessidade, feitos geralmente à vista ou com crédito pré-aprovado, em vez de endividar-se para médio ou longo prazo. Dessa forma, setores que contribuem fortemente para a demanda por crédito, como o imobiliário e o automotivo, foram menos procurados, o que explica a retração recorde do indicador”, analisa Rabi.

Queda na demanda é mais expressiva na população de menor renda

Relacionando abril deste ano com o mesmo mês de 2019, a população que possui renda de até R$ 500 registrou a menor demanda por crédito (-27,5%). Sobre aqueles que recebem mensalmente entre R$ 500 e R$ 1.000 observa-se a maior baixa em 12 anos, desde o início da série histórica do índice, com -26,4%.

Rabi explica que um dos fatores desse cenário é a falta de confiança, principalmente, para aqueles de menor renda, “As pessoas que não possuem uma reserva financeira e dependem de sua renda mensal para sobreviver, estão menos dispostas a adquirir despesas futuras, pois não têm segurança para arcar com grandes compromissos financeiros”, explica.

vdop3jaynSU0XGUwA== Economia

Regiões Centro-Oeste e Nordeste puxaram queda

As regiões Centro-oeste e Nordeste foram as que demonstraram a menor busca por crédito, com -32,2% e -32,9% respectivamente, comparação entre abril de 2020 com igual mês de 2019. Em seguida está o Norte (-24,2%), acompanhado do Sudeste (-22,9%) e do Sul (22,2%).

02wOuokRFt4AA== Economia