Economizar água é oportuno para equilibrar as finanças domésticas, pois é uma das maneiras mais fáceis de reduzir os gastos da casa. Entretanto, trata-se também de uma atitude de cidadania e de respeito com o planeta e o meio ambiente que vivemos.

Embora o verão seja normalmente acompanhado de fortes e constantes chuvas, a reposição nos reservatórios não é suficiente a ponto de atender a elevação de demanda nessa época, já que o calor aumenta não só o consumo de água como também o de energia elétrica.

A água é um recurso natural finito que muitas vezes é desperdiçada em hábitos tidos como inofensivos, mas que repetidos diariamente e por várias pessoas, representam um grande risco à vida num futuro mais próximo do que podemos imaginar. Muitos desses hábitos ocorrem no banheiro, pois a água é a base de quase todos os objetos que compõem esse espaço.

Como uma das marcas que são referência em metais de banheiro, a Fani Metais e Acessórios reúne abaixo 5 dicas para você começar a economizar água neste ambiente. Mude e hábitos e comece a ajudar hoje a salvar o planeta:

  1. Tomar banho é bom, mas ser rápido é melhor ainda

Estima-se que cada minuto de banho consome em média 9 litros de água. Pode já parecer uma quantidade considerável, mas fica ainda maior quando constatamos que boa parte dos banhos no Brasil provavelmente não duram menos que 15 minutos, ou seja, resultam no consumo de até 135 litros de água.

“A dica para economizar é reduzir o tempo de banho e, adicionalmente, acionar o registro somente para se enxaguar, evitando usar o chuveiro enquanto se ensaboa. Essa pequena mudança de hábito no banho tende a reduzir o consumo para menos da metade”, explica Sergio Fagundes, gerente industrial da Fani.

Uma pesquisa divulgada no portal InfoMoney estima que, se cada cidadão paulistano reduzisse em cinco minutos o tempo de banho diário, seriam economizados 26.8 bilhões de litros de água por mês.

  1. Torneira aberta somente para o uso

A mudança de atitude em relação ao banho é similar ao que você deve fazer quando estiver usando a torneira do banheiro. Ao escovar os dentes e em hábitos de autocuidado, deixe a torneira fechada enquanto não precisar dela para enxaguar. A economia ultrapassa os dois dígitos em litros e pode ser ainda maior se você sempre fechá-las corretamente.

  1. Descarga otimizada

A cada seis segundos apertando a válvula da descarga, um vaso sanitário pode consumir em média de 6 a 10 litros de água. Na maioria das vezes, essa quantidade de água foi muito além do que realmente era necessário para fazer tudo fluir.

“Hoje existem descargas com válvula de acionamento duplo não só para os modelos de vaso com caixa acoplada, mas também para instalação convencional na parede. Além de controlar o consumo total, você otimiza o uso da água conforme a necessidade”, orienta Fagundes.

  1. Aposte na reutilização a curto e longo prazo

Assim como água da máquina de lavar, você pode reaproveitar a água do banho para realizar tarefas como lavar a calçada ou até mesmo dar a descarga. Naturalmente, coletar essa água depende de um esforço diário e coletivo dos moradores, mas pode ficar mais fácil se você se programar para isso no futuro.

“O ideal seria que toda casa fosse planejada considerando sistemas de reutilização em que água do banho, por exemplo, fosse redirecionada para reservatórios – como aqueles que coletam a água da chuva – e assim essa água ganharia novos usos. Demanda um investimento inicial alto, é verdade, mas que certamente retornará em economia em pouco tempo”, afirma o gerente.

  1. Revisões periódicas e manutenção constante

Se pudéssemos classificar os tipos de desperdício, os vazamentos certamente estarão entre os piores. É um tipo de consumo dos mais graves porque a água sequer chegou a ser utilizada de fato pelo usuário e muitas vezes esse problema demora até ser notado.

Um buraco de apenas 2 mm num cano é capaz de desperdiçar 96 mil litros de água por mês. Ao construir, é importante investir em material hidráulico de qualidade e verificar periodicamente a conta de água, pois nela vem discriminado o consumo mensal.

“Ao se observar qualquer gotejamento em torneiras antigas, com toda certeza existe um problema no mecanismo de vedação, sendo necessário trocar o que se chama popularmente de ‘reparo’ para evitar que ela fique pingando”, completa Fagundes.