Sem-título Cotidiano
Foto: Goretti Feitosa

Hoje será possível observar a maior superlua em quase 70 anos. Nesta segunda-feira (14), a lua se encontrará a “apenas” 356.509 km da Terra – a distância média é de 384.400 km. Ou seja, 48,2 mil quilômetros mais próxima do que quando esteve recentemente no seu apogeu – que é o ponto mais distante da órbita. O satélite não chegava tão perto assim desde 1948 e não voltará a fazê-lo até 2034.

A Lua atingirá seu perigeu, o ponto de órbita mais próximo ao centro do nosso planeta, às 11h22min (9h22 min em Brasília) e estará cheia às 13h52min (11h52min em Brasília). Ao anoitecer, será vista a partir do mundo inteiro.

Com exceção do eclipse da Superlua de 2015, não houve nem haverá por muito tempo uma lua cheia tão especial, mesmo que curiosamente tenhamos tido três Superluas consecutivas em três meses, a anterior ocorreu em 16 de outubro e a última será no dia 14 de dezembro.

Como ocorre

Como em qualquer outra lua cheia, o corpo celeste parece maior e mais brilhante quando aparece no horizonte. “Se for observada ao nascer, o efeito da superlua será dobrado, devido a um fenômeno conhecido como ilusão lunar”, diz Pascal Descamps, do Observatório de Paris. Esta ilusão de ótica faz com que o satélite pareça maior do que quando está alto no céu.

No perigeu, a proximidade da lua com a Terra faz com que ela pareça 14% maior e 30% mais brilhante do que uma lua cheia do apogeu ( o ponto mais distante da órbita). Por isso, a lua cheia do perigeu ficou conhecida como superlua.

Observável a partir de todos os lugares (se as condições meteorológicas permitirem), o show será visível a olho nu para todos. Mas, com binóculos ou um telescópio, a superfície lunar poderá ser observada como nunca. Alguns sites vão transmitir o fenômeno ao vivo pela internet.

Fonte: O Povo