Se você é consumidor doméstico, já deve ter se deparado com a seguinte situação: o que fazer com as lâmpadas fluorescentes, depois que elas queimam? Essas lâmpadas possuem componentes que demandam um fluxo específico na coleta e destinação final. Por isso, o descarte incorreto, como no lixo comum, pode acarretar diversos problemas ambientais.

Com a finalidade de realizar a coleta e a destinação ambientalmente correta desses resíduos, o programa da Reciclus (Associação Brasileira para a Gestão da Logística Reversa) disponibiliza 1.838 pontos de coleta em todo o País, dos quais 42 no Ceará, nas cidades de Aracati (1), Caucaia (7), Eusébio (1), Fortaleza (21), Itapipoca (1), Juazeiro do Norte (3), Limoeiro do Norte (1), Maracanaú (2), Quixadá (1), Sobral (4), a fim de cumprir com a determinação do Acordo Setorial.

A Reciclus é uma organização civil sem fins lucrativos, criada pelos principais importadores de lâmpadas, para atuar como Entidade Gestora do processo, seguindo um modelo de operação autossustentável.

A iniciativa envolveu diversos segmentos da sociedade e atende à determinação da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Lei Federal nº 12.305/2010 que fala na responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e na logística reversa (LR) como soluções para o descarte correto de itens que podem causar danos ao meio ambiente.

Participam do programa apenas as lâmpadas de uso doméstico, dos seguintes tipos: fluorescentes compactas e tubulares; de vapor de mercúrio, sódio ou metálico; e luz mista. Não há limite para descarte, desde que seja realizado por consumidor doméstico.

Recentemente, a Reciclus alcançou 1,3 milhão de kg de lâmpadas pós-uso coletados em todo o País, sendo que as 10 capitais que mais coletaram lâmpadas fluorescentes usadas nos pontos de coleta Reciclus, desde 2017, foram:

Screenshot_1-1-300x204 Cotidiano

Para saber o ponto de coleta mais próximo de sua residência, acesse: https://reciclus.org.br/lista-de-pontos-de-coleta/