Foto: Reprodução

O crescimento da procura por empregadas domésticas tem acarretado em um novo aquecimento do setor. Somente dez cidades do país – das quais nove são capitais brasileiras – contrataram mais profissionais do setor em meio a essa retomada, depois de passada a pior fase da pandemia da Covid-19. Essas cidades representam quase 30% das oportunidades no ramo só de janeiro a novembro deste ano.

Esta participação faz parte de um levantamento inédito organizado pela Famyle – plataforma que conecta as famílias com profissionais do ramo doméstico. São Paulo é a campeã de contratações no período, com 10% de participação em todas as vagas. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro, que ficou com 5%. Em terceiro lugar, está Brasília (DF), com 3%.

Esta lista de cidades continua, pela ordem, com Goiânia (GO), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Campo Grande (MS) e Fortaleza (CE). Campinas (SP) é a única que não é capital brasileira e entra neste ranking.

A participação das cidades nessas admissões segue uma tendência já apurada pela Famyle, de aumento do número de famílias em busca de profissionais do serviço doméstico. Nos 11 meses de 2021, essa alta chegou a 28% em relação ao mesmo período do ano passado, com um total de cerca de 26 mil vagas nas regiões pesquisadas.

Em 2020, esse total foi próximo de 20,3 mil. A participação das cidades no volume de contratações faz parte das informações apuradas em uma pesquisa amostral realizada pela empresa, dentro da sua base de dados no período correspondente e no comportamento do mercado registrado pela plataforma. Confira a lista: