Cras-Barroso-2 Cotidiano
Foto: Divulgação

O Barroso que faz parte da Regional VI, recebeu na manhã desta sexta-feira (23), o novo  Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Barroso. É a 5ª unidade construída na gestão. Agora, a Capital conta com 28 equipamentos do tipo.

O novo CRAS atende a população de parte do Barroso, Grande Messejana e Grande Jangurussu. Ao todo, o equipamento, porta de entrada para os serviços e programas da Assistência Social, referência cerca de 8 mil famílias. Conta com salas para atendimento individual, equipe técnica e espaço para as atividades e serviços ofertados à população. O local conta ainda com acessibilidade, atendendo às normas de padronização do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) e oferecendo conforto e comodidade aos usuários.

Segundo a primeira-dama do Município, Carol Bezerra, o número de atendimentos nos CRAS de Fortaleza aumentou em 100 mil nos últimos três anos e meio. “O número de equipamentos está maior, e a população está sendo melhor atendida. Estou muito feliz de estar hoje no CRAS do Barroso, que é feito para atender a população. Este local faz um elo com os equipamentos de educação e saúde, trazendo muitos benefícios e um atendimento humanizado”, afirmou.

A primeira-dama comentou as políticas públicas municipais que se integram aos equipamentos de assistência social. “Aqui no Barroso, voltou a funcionar uma creche que estava fechada há 15 anos. Eu, como mãe, sei a necessidade de ter uma creche perto de casa. Além disso, estão sendo reformadas inúmeras praças na cidade, para melhorar a convivência dos bairros. Também foi inaugurado o posto de saúde Pompeu Vasconcelos no bairro. A violência é combatida por meio dessas políticas, é assim que nós fazemos uma transformação social”, destacou.

O CRAS do Barroso já atende a população local há cerca de um mês. Segundo o titular da Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Social e Combate à Fome (Setra), Cláudio Ricardo, o CRAS modifica a dinâmica dos territórios. “Aqui, era uma área que estava descoberta. A Regional VI é muito grande, e estamos procurando ampliar a cobertura neste território. O CRAS é um equipamento muito importante para a comunidade, porque ele é a porta de entrada de todas as políticas sociais, fazendo a comunicação também com outras políticas públicas importantes, numa perspectiva intersetorial. Apesar de ser um equipamento muito simples, ele é sempre muito bem acolhido pela comunidade. O CRAS se comunica com o território. Nossas pesquisas dão conta de que 80% das pessoas do território conhecem o CRAS”, afirmou. A ideia é expandir o número de CRAS de Fortaleza para 40.

De acordo com a coordenadora do espaço, Kílvia Albuquerque, o CRAS era uma demanda antiga da população. “Agregou valor a um espaço e demandas já existentes. Com a criação do CRAS Barroso foi redefinido o território e de Atendimento do CRAS do Conjunto Palmeiras o do CRAS João Paulo II. A ideia é otimizar e qualificar mais os serviços. A gente está num processo de sensibilização com a comunidade, de divulgação na Comunidade Sítio Estrela. O CRAS dentro da Comunidade ajuda no sentido de empoderamento, identidade das pessoas. A demanda está crescendo, é gradativo”, ressaltou.

Ednéia Rodrigues, 33, dona de casa, mora no Barroso há um ano e pretende levar os três filhos para aproveitaram os momentos de convivência ofertados pelo equipamento, além dos espaços de brinquedoteca e de educação, com contação de histórias. “Eu acho um espaço muito legal, a comunidade estava precisando muito. Está bem equipado. Pretendo trazer meus filhos sempre que tiver oportunidade, pois é perto de casa”, garantiu.