Para além das adaptações de rotina, o isolamento social trouxe uma nova dinâmica aos lares brasileiros, provocada pelo aumento de animais de companhia nas residências. Isso é o que aponta a pesquisa Radar Pet – apresentada pela Comissão de Animais de Companhia (COMAC) do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan). O estudo traz que cerca de 30% dos pets foram adquiridos durante o período de isolamento social, com predominância de gatos. Outro dado interessante é que 23% dos tutores adquiriram seu primeiro pet durante a pandemia.

A pesquisa também registrou mudança no perfil dos tutores, que começaram a cuidar melhor dos animais e a frequentar mais os veterinários. A Radar Pet mostrou que a maioria dos tutores de cães levou os animais a alguma consulta veterinária durante a pandemia, sendo grande parte para prevenção de doenças ou aplicação de vacinas.

“Esse é um ponto muito importante, que reforça que os tutores estão ainda mais atentos à saúde dos animais. A cultura de cuidado contínuo deve ser inserida na rotina do pet por meio da realização de check-ups periódicos e exames preventivos. Assim como acontece com os humanos, investir em saúde e prevenção sempre será melhor e mais barato do que realizar um tratamento”, afirma Rebeca Quintão, Gerente de Produto da Zoetis.

A companhia vem reforçando a promoção do cuidado contínuo com os pets para os tutores de animais de companhia por meio de ações direcionadas a eles e aos médicos-veterinários. “O uso da tecnologia, que vem facilitando o acesso dos tutores a soluções e produtos voltados para os pets, pode ser um importante aliado do médico-veterinário na conscientização sobre a importância do ciclo de cuidados contínuos. Essa é uma tendência que cresceu durante a pandemia e que só tem a colaborar quando o assunto é a saúde dos animais”, conclui Rebeca.