Foto: Divulgação

Planejados para receber um determinado número de cães e gatos, os abrigos das ONGs ou as casas de protetores independentes convivem com o problema da falta de espaço e estrutura para dar conta da demanda diária de resgates. A chegada das festas de fim de ano e das férias escolares agrava uma situação já prejudicada pela pandemia – pela pausa nos eventos de adoção – e é uma preocupação a mais para quem dedica a vida a cuidar dos animais.

“A irresponsabilidade de muita gente faz com que uma viagem seja uma razão para abandonar um animal, o que é uma tristeza. Por causa da pandemia, as pessoas ficaram muito tempo sem viajar e agora é a primeira oportunidade depois de muito tempo. Então, a preocupação dos protetores e das ONGs é gigantesca”, comenta o jornalista Celso Zucatelli, sócio do aplicativo PetPonto, um espaço para cuidadores divulgarem cães e gatos disponíveis para adoção.

Na rotina dos protetores, estão casos de resgates de animais deixados na rua porque os moradores saíram de férias ou mesmo o abandono domiciliar, em que a pessoa viaja e deixa o pet trancado sem assistência, apenas com água e ração. Há ainda quem cogite entregar o cão ou gato para ONGs sem pensar que, em decorrência da superlotação desses abrigos, os animais acolhidos acabam ocupando locais improvisados diante do excesso de animais. Em épocas de fortes chuvas, como a atual, a situação piora, pois muitas ONGs não têm recursos para montar uma estrutura coberta nos canis.

“É uma época que temos de tomar bastante cuidado e conscientizar as pessoas que o abandono é crime, que os animais não se viram sozinhos, que sofrem bastante e podem morrer atropelados, envenenados, é algo muito grave”, alerta a gerente de projetos da AMPARA Animal, Rosângela Gebara.

Se a pessoa pretende aproveitar o período de festas para viajar e não pode incluir o animal de estimação na viagem, Rosângela explica que os tutores devem optar por saídas responsáveis como deixar o pet sob os cuidados de um familiar ou amigo, em um hotel especializado ou contratar um profissional pet sitter, que irá passear e olhar o cão ou gato diariamente durante a ausência dos donos.

Para aqueles animais que ainda não tiveram a sorte de sair dos lares temporários e abrigos, a adoção é a chance de ter uma vida mais digna. Para encontrar o pet ideal, existem muitas formas. Além da divulgação de animais disponíveis para adoção nas redes sociais, como realiza a AMPARA Animal, considerada a “ONG mãe” de mais de 450 abrigos, é possível encontrar um novo melhor amigo via aplicativo PetPonto, o Tinder dos pets e adotantes”.

Na plataforma digital gratuita, a pessoa visualiza quase 2 mil perfis de pets resgatados das ruas ou de situações de maus-tratos em todo Brasil. As ONGs e os protetores usam a ferramenta para a divulgação dos animais abrigados e o candidato a adotante faz uma busca, que pode ser filtrada pelas características do animal e/ou da família, preferências de porte e personalidade, e também pode ser realizada por geolocalização, facilitando a aproximação com o local do abrigo temporário.