A quarentena, instituída pelas autoridades governamentais, como medida de controle do coronavírus, implicou no adiantamento do recesso escolar e, com crianças em casa, é preciso redobrar a atenção para evitar acidentes domésticos, uma vez que elas são as maiores vítimas de ocorrências com lesões em casa. Um dos perigos, por exemplo, está no álcool etílico líquido 70%, que teve comercialização liberada temporariamente na última semana, pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e que pode causar queimaduras gravíssimas, como explica o presidente da SBCM (Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão), Dr. João Baptista Gomes dos Santos.

Com a resolução, fica liberada, por seis meses, a venda do álcool líquido 70%, em embalagens de até 1 litro, com o objetivo de aumentar a oferta do produto no mercado para ajudar no combate ao novo coronavírus. A venda desta forma estava proibida desde 2002, em razão do grande número de acidentes envolvendo queimaduras em crianças. De acordo com dados da ONG Criança Segura, nos últimos 10 anos, mais de 3 mil crianças brasileiras de 0 a 14 anos morreram em decorrência de acidentes com queimaduras e quase 221 mil foram hospitalizadas por este motivo, sendo gastos mais de R$ 195 milhões em internações.

“Os pacientes que sofrem queimaduras precisam de atendimento médico adequado e urgente. Deve-se evitar ter esse tipo de álcool em casa, mas, se houver, ele e outros produtos do tipo devem ser guardados longe do alcance de crianças, pois ao menor contato com algo inflamável, pode causar uma tragédia”, fala o Dr. João Baptista. “E quanto ao uso do álcool em gel, a recomendação é que seja utilizado somente quando não houver água e sabão por perto. Em casa, vale a mesma coisa do álcool 70% e de outros produtos inflamáveis e tóxicos: devem ser guardados em local seguro, onde as crianças não tenham acesso”, completa.

O especialista lista outros cuidados que devem ser tomados para evitar os acidentes domésticos com crianças. “Crianças, principalmente, as que engatinham ou estão dando os primeiros passos, têm mania de colocar a mão em tudo, inclusive em tomadas. Por isso, é importante proteger as tomadas elétricas que estão fora de uso e garantir que a fiação esteja em bom estado e presa”, pontua.  “E nunca, em hipótese alguma, deixe as crianças sozinhas na cozinha ou em qualquer outro ambiente”, completa.