A retomada das atividades de ensino deverão adotar algumas medidas para manter a segurança de todos e evitar a transmissão da Covid-19, segundo protocolo divulgado pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). O retorno das aulas presenciais nas escolas deve acontecer de forma gradual e ser feita pelos gestores com base nos indicadores epidemiológicos de cada município.

De acordo com o último decreto publicado no Diário Oficial do Estado, as escolas poderão avançar para o ensino presencial até o 9° ano do Fundamental, com limite de 40% da capacidade. As aulas remotas continuam opcionais aos pais que preferem essa modalidade para os filhos.

O protocolo da Sesa destaca, ainda, que o retorno deve acontecer com respeito às medidas sanitárias recomendadas pelos órgãos de saúde e pelas instituições de ensino, como a higienização frequente das mãos e o respeito ao distanciamento social. Outra medida básica para evitar o contágio, o uso de máscaras deve ser feito por todos (professores, alunos, colaboradores, fornecedores, motoristas de transportes escolares, familiares e responsáveis).

Além disso, a instituição deve aferir a temperatura de profissionais, alunos e fornecedores ao entrar no espaço e organizar a entrada e saída dos estudantes. As salas deverão manter a circulação de ar natural, com a abertura das janelas dez minutos antes do início das aulas, durante o intervalo de recreio e no término do turno. A desinfecção dos ambientes, utensílios e equipamentos também deve ser priorizada.

Magda Almeida, secretária executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, reforça que o apoio às medidas é fundamental e reafirma que as decisões da pasta da Saúde têm embasamentos científicos. “O desenvolvimento de formas práticas de se conviver com o Sars-CoV-2 é uma prioridade coletiva. Dar transparência e fornecer dados para a tomada de decisão embasada na ciência é uma missão da Plataforma de Modernização da Sesa”.