A remessa de 300 mil doses da vacina CoronaVac compradas diretamente pelo Governo do Ceará junto ao Instituto Butantan chegou na madrugada desta quinta-feira (23). Após desembarcar no Aeroporto Internacional de Fortaleza, a carga passou pelo controle fiscal da Secretaria da Fazenda (Sefaz-CE) e foi encaminhada para a Central de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Ceadim), da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa).

Da Ceadim, os imunobiológicos serão distribuídos a todos os municípios cearenses para aplicação de primeira (D1) e segunda dose (D2) dos maiores de 18 anos. “As vacinas serão utilizadas para aplicação de D1 e D2 e serão fundamentais para completarmos a imunização da população adulta do nosso estado”, publicou o governador Camilo Santana nas redes sociais, ao registrar a chegada da carga.

A aquisição direta das 300 mil doses da vacina contra Covid-19 não envolveu o Ministério da Saúde e foi feita em conjunto com outros quatro estados brasileiros: Espírito Santo, Piauí, Pará e Mato Grosso. O objetivo é complementar o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Com essa remessa de CoronaVac será possível remanejar os imunizantes de outros fabricantes para realizar a vacinação de adolescentes e cumprir a aplicação de terceira dose (D3) no público-alvo, composto por idosos acima de 70 anos e imunossuprimidos. Conforme o Ministério da Saúde, o reforço será realizado, preferencialmente, com Pfizer/BioNTech, sendo Janssen ou AstraZeneca as alternativas. Já a imunização da população de 12 a 17 anos é autorizada apenas com Pfizer/BioNTech.

“Estamos recebendo agora, de imediato, 300 mil doses para imunizar logo 100% dos adultos no Ceará. O restante das vacinas será pedido por demanda pelo Estado, através da Secretaria Estadual da Saúde. Com isso, podemos ajustar nossas vacinas para aplicar a terceira dose nos idosos e vacinar os nossos adolescentes. Por uma questão de prudência do próprio comitê, estamos aguardando a autorização da Anvisa (para aplicação em adolescentes) para que a gente possa fazer essa solicitação das 3 milhões de doses da CoronaVac”, detalhou Camilo Santana durante a coletiva de entrega dos lotes aos estados, nessa quarta-feira (22), em São Paulo.

O governador reforçou que a intenção da compra da CoronaVac seria também para prevenir atrasos da distribuição realizada por meio do PNI. E informou ainda o interesse na vacina ButanVac, em desenvolvimento pelo Instituto.

O total de 2,5 milhões de doses adquirido pelos estados ficou distribuído da seguinte forma: Pará com 1 milhão de doses; Espírito Santo e Mato Grosso com 500 mil vacinas cada; Ceará com 300 mil doses e Piauí com 200 mil.