Hospital Leonardo da Vinci
FOTO ASCOM/ SESA

O prefeito Roberto Cláudio e o governador Camilo Santana assinaram, nesta quinta-feira (26/11), Decreto para compra do Hospital Leonardo da Vinci, pelo Governo do Estado.

“A gente precisa celebrar, sim, cada novo investimento feito na área da saúde. Principalmente quando é um hospital público novo, integrado à rede estadual. O Leonardo da Vinci conta com mais de 200 leitos e tem uma grande diferença, pois já está completamente equipado, moderno e pronto. Tem instalações de primeiro mundo e vem se integrar à rede pública como hospital do povo cearense, para nosso privilégio, localizado na cidade de Fortaleza”, afirmou Roberto Cláudio. Segundo ele, outros pontos a serem destacados são a oferta de internação clínica e a redução na filas de cirurgias eletivas.

Antes, o Hospital Leonardo da Vinci era um equipamento privado e estava fechado. No início da pandemia, o Governo do Estado o requisitou por meio de contrato com o proprietário, quando passou atender exclusivamente pacientes com Covid-19. No pico da pandemia, o Hospital chegou a ter 150 leitos de UTI para atender exclusivamente pacientes com Covid-19 e teve quase 2.800 pessoas internadas para o tratamento da enfermidade.

Com a diminuição no número de casos da Covid-19, o equipamento continua funcionando com redução de leitos em relação ao pico da pandemia, mas com outro ganho à sociedade: a realização cirurgias eletivas. Foram 680 cirurgias no período.

Camilo Santana destacou o ganho social. “O Estado está anunciando, com assinatura de decreto, a compra deste hospital para se tornar um equipamento público para a população de Fortaleza e do Ceará. Ele tem capacidade de atendimento de 230 leitos, sendo 30 de UTI e o restante de enfermaria”, informou o Governador.

A ação é fruto de parceria da Prefeitura de Fortaleza e do Governo do Estado por meio do programa Juntos por Fortaleza. O trabalho em conjunto possibilitou a entrega do IJF2, quatro policlínicas, 12 UPAs 24h e a reforma de todos os Frotinhas, além da ampliação dos serviços da Atenção Primária.

O Hospital recém adquirido tem como meta a realização de 5 mil cirurgias até o primeiro trimestre de 2021 e servirá, ainda, como local de apoio à qualificação de médicos residentes, que poderão além de fortalecer o ensino, ampliar a rede de atendimento local.