vale gás social
Foto: Divulgação

Beneficiária do Vale-Gás Social, Márcia da Silva (24) perdeu o pai recentemente, vítima da Covid 19, e sozinha teve que administrar a casa com dois irmãos mais novos e dois filhos pequenos. “Foi tudo muito rápido, perdi meu pai e tive que assumir outras responsabilidades, além das minhas. Eu só estou conseguindo manter o isolamento social aqui em casa porque recebo o Bolsa Família e agora o Vale-Gás, que fez muita diferença na hora de fechar as contas do mês”, conta Márcia, que mora no bairro Vila União, em Fortaleza. Assim como Márcia outras 125 mil famílias em situação de vulnerabilidade social já validaram seus tíquetes com a Nacional Gás e fizeram a recarga de seus botijões. Enquanto na Capital seguem sendo entregue o segundo lote do benefício, no interior, as prefeituras já estão distribuindo o terceiro lote do auxílio concedido pelo Governo do Ceará para 245.966 famílias em situação de vulnerabilidade social no enfrentamento ao coronavírus.

À frente da execução do benefício, a Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS) finalizou a entrega dos tíquetes aos municípios cearenses ainda no mês de maio e agora acompanha a distribuição que tem sido feita pelas prefeituras nos 184 municípios cearenses. “Uma benção, no dia que eu fui chamada para pegar o gás de cozinha, eu estava cozinhando na lenha. Minha condição não dá para comprar um botijão. Meu marido é pedreiro e está sem emprego e com essa pandemia tudo ficou mais difícil. Graças a Deus recebi esse botijão, e agradeço a Deus esse benefício”, comentou a dona de casa, Aurileide Pires, que mora em Parambu, distante 400km de Fortaleza.

A secretária titular da SPS, Socorro França destaca que o benefício contempla um público amplo. “Podem receber o Vale Gás as famílias beneficiárias do Cartão Mais Infância Ceará, do Programa Bolsa Família e jovens em situação de vulnerabilidade social, inscritos no Programa Superação. A ideia é levar este auxílio para o maior número de famílias, para que possam seguir em casa com a garantia de que não faltará o gás para cozinhar nem para esquentar o leite das crianças”, ressalta a gestora.