O empresário egípcio Mohamed Mansour recebe o título de “Sir” do Reino Unido

“Capítulos de um diário do presente”: histórias e viagens históricas do Líbano

Nadim Karam é uma artista, pintora, escultora e arquiteta libanesa que incorpora sua formação em arquitetura em suas obras, criando projetos culturais fora do comum com a luz de seu pincel e de suas esculturas. As suas pinturas são como um viajante que percorre países, revelando histórias humanas, outras carregando dimensões sociais e políticas. Na fábrica “Abroyan” na zona de Bourj Hammoud, inaugurou a sua exposição de pintura “Capítulos de um Diário do Tempo Presente”.

É composto por 5 secções que reflectem a sua paixão artística e captam a sua visão dos períodos históricos que disputou contra o tempo, tornando-se assim como obras dramáticas, cujos personagens e temas são fiéis a cada época.

Como um livro de história, o visitante da exposição folheia as suas páginas e as secções levam-nos numa viagem de memórias.

Na sua exposição, Nadim Karam relaciona os tempos que passa com os acontecimentos da região (Oriente Médio).

Ele viajou desde a guerra de 2006 no Líbano até a pandemia “corona” e a explosão do porto de Beirute. Lágrimas pesadas, às vezes cheias de sangue, às vezes de esperança; Nadim Karam pintou-o no seu estilo surreal, e os seus espectadores ficam imersos no mundo da criatividade, impondo um silêncio que não cria o efeito de luto e tristeza profunda que sentimos desde a época em que viveram os libaneses. Aos poucos e há mais. As pinturas de Karam não carecem de desenhos e símbolos estilizados, e ele os distribuiu pelos vastos espaços da fábrica “Aproyan” ao serviço das suas ideias. Isso incentiva o espectador a explorar e pensar.

A exposição começa com a secção “Introdução”, e vemos a criação das ideias fundadoras do artista para as restantes secções, e a partir daí transitamos entre outras, cujo conteúdo se compreende a partir do título: “A Velha Multidão”, “ Caindo. Lágrimas”, “Pensamentos Expandidos” e “Vivendo no Fim dos Tempos”.

Na entrada principal da fábrica, encontra-se uma grande escultura em madeira representando uma lágrima libanesa gigante, que o irá parar no início e no final da visita. Seus gritos silenciosos e agonizantes, seguidos pela mão em seu estilo fluido, prenunciam um longo e difícil caminho, que pode ser lavado por essas lágrimas, para que um dia melhor brilhe e seja um prenúncio dos sofrimentos que virão. .

A técnica da artista varia entre aquarela, lápis, carvão e glitter. Ele os colocou em papel ou madeira e gravou vídeos. Cada vez que o usava, ele contava ao público a história de um acontecimento importante que descobriu ao longo de sua carreira de 30 anos.

A exposição “Capítulos de um Diário do Presente” continua até 2 de maio (Oriente Médio)

Por que ele deveria empreender um esforço artístico tão grande? Ele explica a Asharq Al-Awsat: “Porque os libaneses precisam de uma saída para a fé, a arte e a cultura. Beirute merece este tipo de iniciativas que expandirão as suas fronteiras e restaurarão o seu papel de liderança.

Ao continuar sua visita, você percebe mudanças no caráter de Karam. A fase de estabelecimento na secção “Introdução” assume diferentes dimensões, algumas das quais inicialmente retratadas como sombras e fantasmas, e assim amadurecidas nas fases avançadas da exposição. Colocou-os várias vezes em moldes brilhantes, ou uma segunda vez em tábuas de madeira, descrevendo assim a sua migração de uma época para outra.

Em uma das seções, é apresentado um conjunto de pequenas pinturas que tratam das consequências da explosão do porto e da comemoração libanesa. O artista explica: “Fotografei pão de trigo num saco que os libaneses levam para onde vão. “É um fenômeno que vive dentro de nós, gravado em nossas almas e corações”.

Desde a década de 1990, Nadim Karam tornou-se famoso por suas esculturas de ferro que assumem a forma de diversos objetos e pessoas. Naquele dia, ele distribuiu-o de diversas maneiras nas pontes e praças de Beirute. A mais recente dessas esculturas, “O Gesto”, chama-se “Gênio das Cinzas”. Nele ele resumiu a dor que deixou entre os libaneses, uma esperança que mostrava a vontade férrea de um povo de se apegar à vida e à justiça.

Suas famosas esculturas de ferro não faltam em suas pinturas artísticas, pois ele as utiliza como símbolos para contar os detalhes de uma história. Ele comenta: “Ele sempre sobe comigo até o céu das minhas pinturas, dando-lhes dimensões intelectuais e culturais”.

Os personagens de Nadim Karam em suas pinturas são povos nômades, cujas situações ele retrata a partir de cenas da vida. As suas inúmeras exposições em Praga, Dubai, Beirute, Melbourne e noutros locais são um ponto de partida para estudar o seu percurso: “Nesta exposição, falo de uma época em que vivemos diariamente. Uma longa jornada pela qual passei está prestes a ser concluída hoje. Esses são os diferentes períodos pelos quais passei para expressar meus sentimentos e pensamentos. A coordenadora da exposição, Nyla Tamras, leu-os cuidadosamente para lhe dar a agência para documentar essas épocas.

Uma de suas pinturas retratando a explosão da cidade (Asharq al-Awsad)

A história desempenha um papel importante na exposição de Karam, pois transporta seus objetos e personagens através de suas páginas para transitar entre as épocas. Seu espectador observa uma série de pensamentos que formam uma história tecida pela paixão pela profissão, então ele o segue, buscando o fim de um caminho desconhecido, perguntando-se aonde ele o levará?

Noutra época, entre 2006 e 2009, as pinturas artísticas eram dominadas por cores vivas, nas quais o “glitter” era usado para traduzir a sua ideia: “Dão-nos mistério e realidade dolorosa”. Apesar das ameias, dos projéteis de artilharia e da fumaça dos projéteis, a rosa e o coração se destacam. Neste grupo, que chamei de (A Nuvem e a Fumaça), mostrei um paradoxo em que vivemos, mas que não perde a esperança.

Entre esperança e sofrimento, seus personagens liberam sentimentos reprimidos (asharq al-awsad).

Até as cores representam os tempos vermelhos causados ​​por batalhas sangrentas e os tempos verdes que representam grandes sonhos e felicidade.

Karam acredita que existe opressão na mente dos libaneses, por isso quis explodi-la na sua exposição e livrar-se das suas consequências: “Queremos expressar as nossas posições pessimistas misturadas com esperança. O meu amor por Beirute inspirou-me a criar uma exposição onde os visitantes possam descobrir o seu conteúdo oculto.

Em sua exposição, Nadim Karam conecta a passagem dos tempos com os acontecimentos da região hoje: “As pinturas podem conectar o passado e o presente, inclusive nos lembrando dos incêndios em Gaza e no sul do Líbano. As datas de sua execução variam de 2006 a 2009. 20 anos depois, ainda sofremos o mesmo. Eu e aquele tempo somos um mundo, no qual expresso o que está acontecendo hoje em pequenas histórias.

Em “Pensamentos Expandidos”, ele se destaca no domínio do pensamento, usando camadas artísticas para transmitir a expansividade do pensamento positivo e negativo. Às vezes como uma árvore e às vezes como raízes enraizadas no solo, seus escritos carregam pensamentos densos.

Quanto à seção “derramamento de lágrimas”, Karam revela um testemunho de choro pela humanidade de sua família, o que nos lembra a pintura “Lum Olarme” de Paul Klee e as ruínas da história chorando pela carnificina que testemunhou. Seus próprios olhos.

Perto do final da exposição, que vai até 2 de maio, duas pinturas da explosão de Beirute chamaram nossa atenção. Na terceira pintura, repleta de pequenos desenhos, cujos significados não conseguimos compreender plenamente, ele fala sobre o estado de isolamento durante a epidemia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *